Resultados de pesquisa

Cat Power

|
Foi ontem, no Coliseu do Porto.

Vamos aprender francês...

|
Blueh, blah, tootte frutte, paff!

Now you guys...



Got it?!

Esta liçao foi de graça, a próxima paga-se :)

Não ponho mais 'kappas' no título

|
Para me "redimir" do gravíssimo erro de português do post imediatamente anterior e porque o youtube é uma mina... cá está uma fabulosa prank call verdadeiramente americana.

Óh Alda, já só cá falta o fat muffin man! ;)



CSI on the scene! Grissom, Grissom!

Nem sei k título dar a isto...

|
Em honra ao Filipe, e à conversa paralela que tivemos no Sábado, enquanto uma mítica guerra de flashes ocorria mesmo (mesmo!) ao lado, aqui está uma fabulosa prank call à portuguesa!

Com direito a "sutáque", musiquinha da moda e tudo!



(Admitam, cada vez me adoram mais...)

0:47 _ 0:55

|
E ainda na laboração. :P
Amanhã (correcção, hoje...) não ponho os pés na FEUP, já ganhei o dia!

E, nem a propósito, aparece-me isto nas minhas feeds. :D (entretanto, passaram-se mais quase 10 minutos)

1:27

|
Uma hora depois, ainda cá estou :| Geez, que semana... Está a acabar um episódio do CSI Miami, o que me lembra que ainda tenho um do Las Vegas para ver, só que hoje não vai mais nada. Acho que vou fazer uma ceia e vou para a cama.
Espero que o meu apêndice temperamental se queixe de uma vez por todas, porque esta moideira já me chateia, francamente.

A anotar:
- Peça "A dúvida" (sim sim sim sim sim :D)
- Peça "Um violino no teatro" (em estreia - a minha mãe está sempre a falar nela, por isso devo ir ver um dia destes)
- Concerto: Cat Power
- Concerto: Feist
- Viajar! (: (Porque sim!)

A fazer:
- Too long list.


Declaro oficialmente que estou com sono :P

0:21

|
Cá estou eu a trabalhar. Ora bem, farta de AS e a receber respostas dos quintos referentes a ofertas de trabalho. Que não tarde a ir.

Tenho que começar a pensar na tese do mestrado e ainda não me descorre nada decente. No meio disto tudo, fiz 23 - sou uma menina. :P

Horário de trabalho: 8:30 - .

Comentários ao poder!

|
Amigos, leitores do blogue, puros e singelos scanners e lurkers deste sítio... aconselho a bisbilhotarem os comentários aos posts.

Pouco me interessa se não ligam a eventos culturais, a conferências, a desabafos, a tiras ou mesmo a videozinhos... reparem naquele sitiozinho - link para o pessoal que percebe disto - que diz x ou n (como preferirem) comentários... cliquem... e prometo! Um novo mundo se irá abrir diante dos vossos olhos!

Um universo paralelo de parovice, ranting, bitching e pura estupidez se passa por essas linhas. Desde promessas de doenças mais ou menos degenerativas, a avaliações inconsequentes das suas consequências (olha o belo do paradoxo!), a pedidos prontamente retirados de material a incluir nestas páginas... tudo, sim repito TUDO é passível de acontecer por lá.

Apenas porque "burramente" (LOL to myself) acreditamos que ninguém vai ler.

Mas por outro lado, e num puro golpe de marketing, poderiamos ser o primeiro blogue (ou segundo, ou terceiro...) a dar mais importância aos comments que aos posts...

Já viram a beleza de esperar freneticamente a próxima pérola de sabedoria balofa a sair de certas e determinadas mentes? Eu não... mas pode muito bem acontecer.

E agora pa me armar em gaja que sabe umas coisas, vamos dizer como o outro: "Vale a pena pensar nisto!..."

Destes buracos também quero!

|
O Sr. Dr. Boavisteiro Rui Rio está terminantemente proibído de tapar estes buracos!
Digo eu!

E sim, Zé, são mais videos... demorei, porque a minha moral e auto-estima encontradora de pérolas ficou afectada com o rebentar, SIMPÁTICO, volto a repetir, da já várias vezes referida, bolha de alegria.


E vamos começar a pensar no nosso hino em Kizomba - com sorte também chega ao primeiro lugar do top de vendas... já agora só faltava mais essa (Volta Fantasminha que estás perdoado) - aceitam-se ideias e comentários sobre a possibilidade!



Eu sou tão amiguinha! ;)

"Prece"

|
Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade.

Mas a chama, que a vida em nós criou,
Se ainda há vida ainda não é finda.
O frio morto em cinzas a ocultou:
A mão do vento pode erguê-la ainda.

Dá sopro, a aragem – ou desgraça ou ânsia-,
Com que a chama do esforço se remoça,
E outra vez conquistemos a Distância-
Do mar ou outra, mas que seja nossa!


in "Mar Português" – "Mensagem"
Fernando Pessoa

Reminiscências [Silêncios]

|
O dia e a noite.
Os intervalos de dor e medo.
Metáforas que falam por si.
-
Silêncios.
-
Subterfúgios.
-
Não há palavras que desenhem o que sinto. Não há traços que expliquem tudo o que é. Batem

por fora e marcam por dentro.
-
É escuro, mas surge uma luz nos entretantos, nas esperanças e na força que a esfera interior

suporta em si.

Pensamento do dia

|
"Vou ter sempre 18 anos. (Até nas bilheteiras do cinema do NorteShopping.)" - Alda Silva

34º Festival de Música de Espinho

|
A programação da presente edição do FIME, a 34ª, segue uma linha de continuidade caracterizadora da sua identidade, privilegiando a concretização dos seus objectivos fundamentais, entre os quais a disponibilização aos públicos do Festival de oportunidades de contacto com intérpretes de grande craveira e reportórios de inegável valor artístico.

Em 2008, o FIME aprofunda uma rubrica lançada na edição do ano anterior, que se revelou extremamente bem sucedida: o FESTIVAL JÚNIOR. Na presente edição serão apresentados quatro espectáculos exclusivamente preparados para o público mais jovem que em família, terá oportunidade de conviver com a música e com os músicos, dentro e fora do palco.
Aquele que é um dos mais antigos festivais de música em Portugal, acontece no Auditório de Espinho entre os dias 2 e 30 de Julho.


Mais. E ainda mais.

Amazing wallpapers

|
Aqui.

Apeteceu-me (a segunda parte)

|
Mudar o template disto. Depois ou desenho um novo ou vejo pela web alguma coisa de jeito. O restante pessoal da administração também se pode mexer :P
Lá por ser eu a multimédica de serviço...

-

P.S. - Dor de cabeça que nem um ben-u-ron 500 mata.

Apetece-me

|
pegar uma pneumonia a metade da FEUP, só para ver o que acontece.

(Tudo para dar uso ao novo separador, criado pela Isabel, "confissões ressabiadas"...)

Cirque du Soleil

|
Ontem estive com a Izzie e ela falou-me de um documentário sobre "Cirque du Soleil" que ela tinha visto. Então, eu andei a procurar e encontrei vários sobre isso. Achei completamente doentio. Já tinha várias coisas contra - "Cirque..." enquanto empresa -, e realmente posso dizer que compartilho da opinião da Izzie. Há coisas doentias, dão pelo nome de exploração e de discriminação.

Padrões... e não, não são bólinhas, quadrados ou riscas...

|
Bons dias péssuau!

Não hoje não me deu para falar de moda - sim, sou assessora, mas isso parece ainda não ter afectado as minhas vivências comerciais de texteis.

Estive foi para aqui a vasculhar o que se passou nas últimas 72 horas neste blog e vi que:

1º - não somos só duas visitantes - damm! tenho que ter cuidado com o que digo!... Alda! Essa não era uma condição escrita no nosso contrato.... ai ai!

2º - pediram-me mais videos... uau! Já tenho "requests"!... "Videos Pedidos? Posso ouvir a frase?"... O sonho da minha vida (cibernética) está realizado!

3º - Simpaticamente, rebentaram a minha bolha de alegria inocente logo de seguida ao sugerir que sigo padrões... sim, sou uma gaija que tem hábitos e manias (não confundir com taras e manias do nosso amigo Marco "Simão" Paulo)!

E não, NÃO vou parar!

MUAHAHAHAhAhAhahahah!.....

Ai'll bi béck!

Diagnóstico

|
Pneumonia.

Tenham medo. Tenham muito medo.
Quer dizer que... sim, é mesmo isso. Foco infeccioso quase nulo, podem descansar agora. Mas só se não contactaram antes. Wow.
A culpa é da FEUP, certamente.

Fotografia de Arquitectura - FAUP

|

"Se o arquitecto observa e desenha, induzindo mudanças na forma, o fotógrafo analisa e reconstrói esse espaço, restituindo uma imagem. Como o arquitecto que observa o contexto no qual deve referenciar a sua intervenção, o fotógrafo vê, pesa e procura o olhar nesse mesmo lugar, como se estivesse também ele prestes a agir sobre a envolvente. O seu olhar é significativo, não tanto enquanto compositor da circunstância de uma cena urbana, mas enquanto visão crítica que selecciona atentamente, filtrando interferências, equacionando tensões, procurando tornar inteligíveis situações específicas para além da forma imediata. O fotógrafo olha como quem constrói."

Gabriele Basílico, in Arquitectura em Portugal"




Estes são os dois trabalhos com que participei.



|

O Laboratório Associado IBMC.INEB e o projecto Ectopia estão a organizar o simpósio /hYbrid: Reflections on Science and Art/, o segundo de uma série de encontros sobre arte e ciência. Este ano a discussão irá focar-se nas questões éticas inerentes a esta relação entre arte e ciência, com especial destaque para as ciências da vida.

Local: Museu Soares dos Reis

Data: 31 de Maio.

Para obter informação adicional sobre o evento (programa, inscrições, exposição e convidados) consulte
www.ibmc.up.pt/hybrid.

Por favor reenvie este email para outras pessoas que possam estar interessadas em participar neste evento.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

The Associate Laboratory IBMC.INEB and Ectopia are organising /hYbrid: Reflections on Science and Art/ meeting, the second of a series. This year's meeting is focusing on different *ethical perspectives* of Science and Art collaborations, particularly in relation to the Life Sciences.

Venue: Museu Nacional de Soares dos Reis (MNSR)

Date: 31st of May

Further information on this event (programme, registration, exhibition and participants) at www.ibmc.up.pt/hybrid

Could you please forward this message to others that maybe interested in this event.



E por fim... ainda mais videozinhos....

|
Claro que depois disto... vos pago a todos umas embalagenzinhas de "Xonacsse"...

Os inícios...



Agora algo muito 80's... basta dizer que quando for grande quero ser assim...



E prometo... por hoje chega... Acho que a Alda me vai tirar os privilégios de participação depois disto...

Mais videozinhos... músicas do Herman

|
Agora a saudosa Herman Enciclopédia... e a imaginação musical fértil do "Hóme"...



Aaaah e olha o "mixeh"... que tem Leonardo Cohen...



Parte 2

Mais videozinhos... Natal I

|
Já que parece que esta semana está a sorrir à nossa Weezita... mãe deste brlogue... cá vão mais uns videozinhos da treta pó pessoal, ou seja, nós as duas, nos rirmos um cado...

Acho que nunca ssumi isto... mas long Live Youtube e as suas pérolas!

Primeiro o Natal, porque tamos em Maio... mas com figuras destas... pode mesmo ser todos os dias...



|

E obrigada à Helena pela seguinte contribuição:

"to see a world in a grain of sand,
and a heaven in a wild flower,
hold infinity in the palm of your hand,
and eternity in an hour."
William Blake

Teddy Blanks: Errol Morris's Problem With Photography

|

Still from Abu Ghraib reenactment scene, Standard Operating Procedure, 2008

In Sontag & Kael: Opposites Attract Me, Craig Seligman writes of Susan Sontag and her collection On Photography: "She's profoundly troubled by certain ethical and aesthetic issues arising from the mechanical nature of the medium, such that a more accurate title for the book might be On Some Problems in Photography." I mention this quip because I was reminded of it last week, as I sat nervously in the tiny "Cinémathèque" at Brandeis University in Boston after a screening of Errol Morris's new documentary, Standard Operating Procedure.

During the Q&A session following the film, which is comprised partly of interviews with five of the "seven bad apples" who were prosecuted in connection with the famous photos taken of the abuses afflicted on prisoners at Abu Ghraib, Morris said that one of his chief reasons for beginning the project was to explore "some of the problems I have with photography." (...)

Standard Operating Procedure is a gorgeous, pulsing stopwatch of a movie, and like all of Morris's best work, its structure is based on a rhythmic series of revelations. As in the Eameses' Powers of Ten, he starts with what we think we know about his subjects, then systematically, incrementally zooms out, putting our understanding in a larger context, then inverts his gaze, revealing the clockwork beneath. (...)

In the last decade, Morris has become increasingly insistent on putting his audiences face-to-face with morally repulsive people, to the point that most of us would pay good money to ensure we'd never be stuck in a room with them. I will go as far as to say that his three most recent movies, Mr. Death, The Fog of War and Standard Operating Procedure, could be regarded as a trilogy of slimy characters, the former two dealing with Fred Leuchter, a death penalty specialist popular on the Holocaust-denial circuit, and Robert McNamara, a denier of another sort. Morris's motives differ in each case, to be sure, but he is nonetheless determined to have us empathize with people who disgust us. He doesn't attempt to extract apologies from them, per se. But at least one of his goals in these movies is to give these villains, whom we have branded and brushed under the rug, a chance to explain themselves — a prospect which may have us asking whether we think they deserve that chance.

It becomes apparent fairly quickly, though, in Standard Operating Procedure that the soldiers interviewed here are not the one-dimensional monsters we may have come to expect from seeing them in photographs. They are guilty of atrocities, yes, but their feelings about their complicity in those atrocities are complex and often contradictory, a mixture of guilt and indignation. All of them seem genuinely surprised they ever became involved in this episode, and righteously know they are scapegoats — an arbitrary handful of guilty parties singled out as responsible for a larger phenomenon, prosecuted not because they committed these acts, but because they photographed themselves doing so. (...)


Stills of graphics sequences designed by Kyle Cooper and Prologue Films, Standard Operating Procedure, 2008

In a marked improvement on the poor screen typography of The Fog of War, Kyle Cooper was employed to give Standard Operating Procedure its title sequence and the full graphic work-over. And so we have, next to Morris's interviews and reenactments, a third main character: the choreographed presentation of the Abu Ghraib photos themselves. (...) And so we walk away from this film knowing not only more about the content and context of these photos, but also knowing what kinds of digital cameras they were taken with, and how the data embedded in them ultimately provided the evidence that was needed to convict the photographers.

Morris takes an artist's view of the Abu Ghraib photographs and their inhabitants. His interest in photography has led him to a set of iconic images that exposed a nation to its own worst behavior, and at the same time provided a cover for those most implicit in it to duck behind. He subjects them to a full circumstantial and aesthetic investigation, and uses them as the backdrop for his riskiest and most topical film to date. He will thus continue to be chided for straying from the self-congratulatory stoicism that characterizes the dirge of Iraq documentaries that are released each year — all more purely "documentary" than his. But with luck, Errol Morris will transfer some of his own uneasiness about photography and its many possible interpretations to his audience, and we will think twice when confronted by the future images, horrific and bold, of this American war.

Teddy Blanks is a senior designer at Winterhouse Studio, and a contributor to the online film magazine, Not Coming To A Theater Near You, where he recently completed a feature on monologist Spalding Gray. His band, the Gaskets, has released two albums.


-


Fonte (ver o artigo na versão integral): Design Observer

Posto de escuta

|
Halo 27 - The Slip
Nine Inch Nails

Download gratuito do álbum completo no site.

Amor à primeira vista

|
Do you believe?

57) do you believe in love at first sight?
Yes and no.
Hmm? No because love at "first sight" would be purely based on appearance.
But yes, in the case you would start feeling something for the person since the first time you made contact with them.

Seen here.

Entrevista a Jean-Sébastien Monzani

|




Na minha galeria generalista do deviantART.

Viva la vida

|
Viva la vida or Death and all his friends é o nome do novo álbum dos Coldplay, próximo de chegar às lojas. A música que o apresenta, Violet Hill, já está disponível para download a partir do site oficial da banda deste ontem.
É uma experiência forte, que traz vida à banda, tal como se pretendia com o quarto álbum de originais dos Coldplay. Mais bateria e guitarra, é o que se pode constatar em Violet Hill.
Como podem fazer o download a partir do site, deixo-vos a letra.


Was a long and dark December
From the rooftops i remember
There was snow
White snow

Clearly i remember
From the windows they were watching
While we froze down below

When the future's architectured
By a carnival of idiots on show
You'd better lie low

If you love me
Won't you let me know?

Was a long and dark December
When the banks became cathedrals
And the fog
Became God

Priests clutched onto bibles
And went out to fit their rifles
And the cross was held aloft

Bury me in honor
When i'm dead and hit the ground
A love back home unfolds

If you love me
Won't you let me know?

(Guitar Solo)

I don't want to be a soldier
With the captain of some sinking ship
With snow, far below

So if you love me
Why'd you let me go?

I took my love down to violet hill
There we sat in snow
All that time she was silent still

So if you love me
Won't you let me know?

If you love me,
Won't you let me know?