Resultados de pesquisa

Passo a passo

|

By Paulo Coelho

The end of one stage is only the beginning of another. Any dangers overcome are the necessary preparation to do better in the next stage.

MerrWee Xmas

|
Para os restantes colaboradores do blog, para os possíveis leitores e claro para a maioria de vocês que provavelmente nem sabem que este espaço existe!
Ora vocês estão a pensar que esta mensagem veio um bocado cedo demais porque afinal ainda falta um dia certo? Sim e não. Sim porque de facto falta ainda um dia e não porque não é cedo demais. Não é cedo demais porque este ano vou passar o natal num sítio assim que afastado da civilização como a conhecemos pelo que a ligação à internet não vai existir. Assim, como não vou poder fazer isto amanhã, adiantei trabalho e começo já com os desejos de bom bacalhau, boas prendinhas, bom convívio e tudo o resto que façam nesta altura.

Portem-se bem!

Acaso

|
Ontem a viagem de metro para Campanhã ao fim do dia foi mais uma vez diferente e irritante... Paragens bruscas, paragens muito bruscas e marcha mais lenta do que o costume (sim, senhoras e senhores, é possível). Todos estes problemas devido, alegadamente, a uma falta de corrente...
No meio disto tudo estava eu a ouvir Rage Against the Machine - Take the Power Back. Coincidência? Quem sabe...

Misconceptions

|
Não entendo esta moda, que já existe há algum tempo, de pôr os Pai Natal a subirem pelas varandas e pelos edifícios etc... Ele obviamente que aterra directamente com o trenó e as renas em cima do telhado. Além disso é pela chaminé gente, pela chaminé que ele entra e não pela varanda. Achei bem divulgar esta informação porque me parece que anda muita gente enganada por aí.

That is your privilege

|
Isn’t it strange that a gift could be an enemy
Isn’t it weird that a privilege could feel like a chore
Maybe it’s me, but this life isn’t going anywhere
Maybe if we looked hard enough we could find a back door
Find yourself a back door
I see you in line dragging your feet
You have my sympathy
The day you were born you were born free
That is your privilege
Isn’t it strange that the man standing in front of me
Doesn’t have a clue why he’s waiting or what he’s waiting for
Maybe it’s me but I’m sick of wasting energy
Maybe if I look in my heart, I can find a back a door
Find yourself a back door
I see you in line dragging your feet
You have my sympathy
The day you were born you were born free
That is your
That is your privilege
Find yourself a back door
I see you in line dragging your feet
You have my sympathy
The day you were born you were born free
That is your privilege
I see you in line dragging your feet
You have my sympathy
The day you were born you were born free
That is your
That is your privilege


Incubus - "Privilege"

-

De vez em quando, lembro-me de percorrer as minhas playlists de há uns anos atrás, as quais incluem músicas das quais agora quase nem me recordo a não ser que algo desperte essa memória. E hoje foi um pouco por aí que voltei ao "Make Yourself" dos Incubus, álbum lançado em finais de 1999 (alguém me corrija se eu estiver errada, mas creio que foi por aí). E ouvi-los, ouvir os Incubus dessa altura, lembra-me porque é que fui a Lisboa em 2001 (!) vê-los ao Coliseu dos Recreios, porque é que no ano seguinte tornei a viajar até à capital (desta vez foi já no Pavilhão Atlântico) e porque é que os tornei a ver em Paredes de Coura no mesmo ano. :)
*momento saudosista*

Informaticus Engenhus

|
Não resisti em colocar isto aqui...

Fontes de inspiração

|
Eu até nem gosto muito de futebol, mas que é uma boa fonte de inspiração não se pode negar. Muitas ideias se têm com base nesse desporto colectivo. Senão vejamos...

Quando os jogos do F.C.PORTO são televisionados:
  • a produção da industria no Porto cai 22%
  • o movimento do comércio no Porto cai 35%
  • o movimento dos restaurantes cai 40%
  • o movimento nas ruas do Porto cai 89%
  • os shoppings têm queda de movimento de 62%
  • os clubes sociais, os hipódromos, a bolsa de valores e as lojas finas: queda de 96%
  • diminui em 89% a circulação de veículos das marcas Porsche, Mercedes, Ferrari, Maserati, Volvo, Jaguar, Cherokee, Audi, Honda, BMW...
Quando os jogos do SPORTING são televisionados:
  • o movimento dos cinemas, museus e foruns culturais diminui 80%
  • a produção dos membros do Governo e da Assembleia da República diminui 68%
  • o Presidente da República manda dizer que não está
  • o Presidente da Comissão Europeia manda dizer que não está
  • o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa manda dizer que não está
  • o 'lobby' de Macau que manda no PS fica temporariamente inactivo
  • as lojas maçónicas fecham
  • o pretendente ao trono e os monárquicos dizem palavrões
  • a 'opus dei' entra em reunião à porta fechada
  • em resumo, o País fica ingovernável.
Quando os jogos do BENFICA são televisionados:
  • os assaltos à mão armada diminuem 79%
  • redução de 62% dos assaltos nos semáforos
  • os assassinatos caem 74%
  • o movimento de travestis diminui em 99,9%
  • os sequestros sofrem uma redução de 78%
  • os motins nas cadeias caem 91%
Assim se entende a preferência por transmissões de jogos do Benfica!!!...

O que me preocupa é se os números em questão são correctos. Isso quer dizer que houve um infliz (provavelmente um adepto do FCP) que andou a fazer pesquisa disso só para "cair em cima" do SLB e do SCP. Há coisas bem melhores em que gastar o tempo não? Bem, mas essa é a minha opinião.

Natal

|
Natal e cenas e compras, somos todos uns consumistas do caraças, mas eu não estou virada para ir fazer compras (como sempre!). Por isso, este artigo do Público suscitou o meu interesse e poderá, concerteza, interessar a mais gente. Fica então a dica.

Mais um book feito. :)

|

Uma desgraça...

|
Reservei este domingo passado para tentar ver se comprava algumas das prendas que vou dar este natal... Os meus domingos são normalmente pacíficos onde nada de realmente útil é feito, mas desta vez tentei ir contra a maré de preguiça e fazer alguma coisa com este que desse jeito no futuro.
Bem, lá me pus eu no comboio e fui até ao Porto ver se me ocorriam ideias. De todas as voltas que dei, frio que apanhei e chuva que amaldiçoei só consegui vir para casa com 1 prenda comprada! Sou uma desgraça no que toca escolher presentes para pessoas. Acho que vou começar a fazer de Pai Natal e passar a aceitar pedidos. É mais fácil, não se gasta dinheiro em coisas que não vão gostar ou que já têm...

Prevejo uma cruzada no próximo fim-de-semana com o mesmo objectivo... Ao menos que não chova...

Calvinice #3

|
Já cá não punha uma destas há algum tempo por isso aqui vai...

The first and the venerated

|
Because I am the first and the last
I am the venerated and the scorned
I am the whore and the saint
I am the wife and the virgin
I am the mother and the daughter
I am the arms of my mother
I am the sterile one, and my children are many
I am the well-wed and the spinster
I am the one who gave the light and the one who never gave birth
I am the wife and the husband
And it was my man who bore me in his belly
I am the mother of my father
I am the sister of my husband
And he is my rejected son
Respect me always
Because I am the scandalous and the discreet.

in here.

Um até já...

|
E não é do Jorge Gabriel ou dos Reis Magos da TMN.

É meu... mais uma vez dei um passo atrás... à espera de quando possa dar dois pa frente. Isto tudo pa dizer que tão cedo não volto a postar nada. Mas quem sabe não volte com mais e melhor para dar?... Ok também não vamos manter as esperanças assim tão altas... =)

E não se preocupem leitores cdo mundo que não vai ser desculpa para que a qualidade do blog diminua... sim, até porque eu não fazia nada de especial mesmo.

Num dia em que me disseram e me apetecia dizer tanto... fica para todos um até já!
|
Cheguei agora à conclusão que em todos os videozinhos que aqui trouxe nenhum espelha a minha admiração pelos Queen.
O timing, a genialidade, a estética... podia ficar aqui todo o dia a listar adjectivos. Mas não, deixo apenas um dos meus videos favoritos.

I want to break free - querem apostar em como o início e o (quase) final fazem sorrir, quiça gargalhar?



Note-se que estávamos em 1984. E que o Brian May de rolinhos na cabeça é bastante credível. =)

É 6ª feira

|
Para finalizar esta semana que foi no mínimo... vamos dizê-lo de forma simpática... estranha.



Intemporal... Enjoy!

Question?

|
Porque é que o silêncio é ensurdecedor, enervante e aniquilador?

Ofereço o Prémio Nobel de Qualquer-Coisa a quem descubrir.

Obrigado.

Entrevista retirada do Público Online (excertos)

|
Há uma arrogância implícita nos jornalistas, acusa o primeiro provedor do New York Times
Daniel Okrent, 60 anos, foi o primeiro provedor dos leitores do New York Times, entre Dezembro de 2003 e Maio de 2005, depois de uma série de escândalos que abalaram a credibilidade do maior jornal norte-americano. Antes tinha desempenhado cargos de chefia em várias redacções, incluindo a revista Time. O PÚBLICO entrevistou-o na apresentação da edição portuguesa do seu livro, "O Provedor", onde junta uma série de crónicas escritas nessa função e reflecte também sobre acontecimentos da altura.


Tornou-se provedor do New York Times em Dezembro de 2003, depois do escândalo ocorrido com o jornalista Jason Blair (acusado de plágio e de fabricar factos e pessoas nas suas reportagens). Como é que se sentiu quando o convidaram?
Tinha-me reformado antecipadamente da revista Time, onde fui editor durante muitos anos, estava a começar a escrever um livro e não andava à procura de emprego. Quando me ligaram a perguntar, aceitei porque era o New York Times e porque iria ser o primeiro provedor, foi difícil dizer que não. Se fosse outro jornal qualquer ou se tivesse sido o terceiro ou quarto provedor, nunca o teria feito. Mas porque iria ter a oportunidade de ter um papel na definição do que este cargo seria, no jornal mais importante dos Estados Unidos e de língua inglesa a nível mundial, tive de dizer que sim.
Lembro-me de que me ofereceram o emprego numa sexta-feira e disse que lhes responderia na segunda, e eu e a minha mulher estávamos em Washington a visitar um amigo e fomos ao cinema. Não me lembro de nada do filme, porque só pensava: “Oh meu deus, como é que isto vai ser?” Porque sabia que as coisas iriam ser muito intensas.

Da forma como fala, é muito difícil ser provedor?
Ninguém telefona para dizer que está contente ou que gosta do que faz o jornal, quase só ouvimos comentários de pessoas zangadas. E depois o provedor chega ao pé de um repórter e diz: “Aquele artigo que escreveste na semana passada, não deixou as pessoas muito contentes, aqui está o que estava errado”. E isso também não o deixa contente. Por isso, não fazemos amigos nesta função. Daí a minha citação inicial no livro (risos): “Se te enforcarem hei-de lembrar-me de ti para sempre” (Humphrey Bogart em Relíquia Macabra).

Já tinha sido jornalista durante muito tempo. Como é que foi a mudança?
Muito surpreendente. A maior mudança foi o descontentamento que vi nas pessoas, com formas de fazer jornalismo que eu tinha praticado durante toda a minha carreira. E nunca me ocorreu, porque não trabalhava numa instituição com provedor, que algumas das coisas que eu fazia enquanto jornalista, como confiar em fontes anónimas... Nunca me passou pela cabeça que os leitores não acreditassem...

Não acreditassem como?
Os leitores dizem: “O jornalista diz que de acordo com uma fonte bem colocada no Departamento de Estado, isto vai acontecer, mas eu não acredito nisso porque acho que o jornalista está a dizer o que acha que vai acontecer e finge que foi outra pessoa que disse.” Isto porque se trata de uma fonte anónima e não pode ser ligada a ninguém. Isso é algo que agora, quando ainda faço algum jornalismo, deixei de fazer. Por vezes, alguns jornalistas são obrigados a recorrer a fontes anónimas, mas é melhor colocarem no artigo que algo vai acontecer (assumindo essa responsabilidade). As fontes anónimas não têm credibilidade junto dos leitores.

Com que outras grandes questões é que se deparou?
Fui provedor durante a campanha presidencial entre o Bush e o Kerry, em 2004, e senti que os partidários de ambos os lados liam as notícias quase palavra por palavra. Se estavam de acordo com a forma como vêem o mundo, eram verdade; mas se contradiziam, achavam que eram tendenciosas...

O New York Times é conhecido por ser um jornal democrata...
É esse o problema, e acho que devemos falar para o outro lado. Quanto mais a nossa credibilidade é desafiada por sermos conhecidos como democratas, mais temos de ter a certeza de que não estamos a favorecer esse lado.

Mas como é que se obtém esse equilíbrio?
Desequilíbrio há sempre algum, mas se formos vigilantes e cuidadosos, conseguimos reduzi-lo muito. E é particularmente complicado no New York Times, em que as posições editoriais nas páginas de opinião são muito democratas. Por isso, qualquer pessoa pega no jornal assumindo que há essa tendência e isso é mau para o jornalismo. Os jornalistas podem dizer que os republicanos não os irão ler e por isso não precisam de se preocupar. Só que depois tornam-se líderes de claques, depois eles próprios partidários, se alguma vez desistirem de examinar um lado tão detalhadamente como examinam o outro. É uma batalha muito difícil, não sei se alguém poderá vencê-la, mas podemos tentar seriamente.

Como é que um jornalista consegue evoluir entre os dois lados?
Deve continuar sempre a desafiar-se a si próprio. Se eu for um democrata, devo tentar ver igualmente o lado republicano. Tenho de o fazer, porque caso contrário vou começar a ver apenas um lado.

Diz no seu livro que os jornalistas são pessoas arrogantes. Porquê?
Somos donos da tinta e donos do papel e estamos numa posição em que julgamos outras pessoas numa base diária, mas nunca nos submetemos pessoalmente. Existe uma atitude de defesa que temos enquanto jornalistas: quando alguém nos critica e acusa de sermos partidários, começamos por identificar a forma como aquela pessoa está errada. Não começamos por nos interrogarmos se essa pessoa terá razão. E essa seria a forma honesta de fazermos o trabalho, começarmos com uma mente aberta em relação às críticas. Estamos numa posição de fazer declarações e não damos um igual tratamento a alguém que se queixa, existe uma arrogância implícita, de que a nossa opinião tem mais importância.
Nesta última campanha presidencial, a maioria dos jornalistas favoreceram o Obama, cerca de 90 por cento. Quando escrevemos sobre o McCain, a primeira coisa que temos de tentar fazer é olhar para o artigo através dos olhos de um apoiante do McCain, deve ser como se começa. Depois encontro a minha forma de chegar a uma posição que entenda como razoável. Então se alguém ligar do lado do McCain a queixar-se, não posso dizer “Você é do McCain, não interessa porque você é partidário”, tenho antes de perguntar qual é a natureza da queixa. Talvez eu não estivesse aberto a alguma coisa, talvez tenha dado demasiada importância àquilo que foi dito pelo outro lado. É essa falta de vontade...
O assunto mais emotivo nos Estados Unidos é Israel, as pessoas de ambos os lados sentem-no muito intensamente, e se publicássemos algum artigo sobre Israel ou a Palestina levávamos pancada de um lado ou do outro. E muitas vezes vi que as pessoas desvalorizavam algo com o argumento de que se tratava de apoiantes sionistas, mas isso não é um ponto de vista razoável. Qualquer artigo recebia centenas de cartas no dia a seguir, era impossível... É de loucos, as pessoas sentem esse assunto de forma muito intensa e por isso torna-se extremamente difícil ouvir as queixas ligadas a esse assunto.
Respondi a queixas específicas mas não escrevi sobre o assunto até ao final do mandato. Algumas pessoas acham que agi de uma forma covarde, mas eu sabia que se o fizesse mais cedo iria perder as pessoas de um lado ou do outro. Existe um grupo chamado Camera – Comité para Exactidão na Cobertura do Médio Oriente na América, de análise de notícias, que é de influência sionista. Gostavam muito de mim, porque eu falava com eles e reagia sempre às queixas, fazia questão de que os repórteres respondessem, só diziam coisas boas sobre mim. E depois quando fui falar com eles, numa longa conversa, e depois escrevi o meu artigo, onde tinha uns dois parágrafos críticos sobre eles, disseram: “Claramente, você esteve sempre a mentir-nos” (risos).

Como é que foi lidar com grandes organizações que refere no seu livro, como o gigante de retalho Wall Mart? Sentia muitas pressões?
Era fácil lidar com a pressão dos grupos económicos e do Governo, por várias razões. Os profissionais das relações públicas que estão a pressionar sabem como é que eu e os jornalistas ganhamos a vida. Há uma compreensão profissional mútua que não existe nas pessoas sem experiência em lidar com a imprensa.
Os leitores ou alguém sobre quem se escreve uma primeira vez, não fazem ideia de como é, não sabem como é ser entrevistado por um jornalista, dizem coisas que preferiam nunca ter dito. Era muito mais compreensivo com essas pessoas.

Tentou explicar a essas pessoas como é que funciona um jornal?
Claro que sim... O repórter fica a saber de um assunto às 16h00, fala com a pessoa às 16h30 e tem de escrever sobre o assunto até às 19h00. Não vai ficar perfeito, mas também não é desculpa para o jornal, e por isso muitas vezes entrei em discussões com repórteres e com editores, que chegaram a deixar de falar comigo.
Houve uma vez uma notícia de última hora, trataram-na de forma errada e quando confrontei a editora da área de Educação ela disse: “Somos um jornal.” Mas isso não é desculpa.
Ela ficou muito zangada e deixou de falar comigo, dizia que eu tinha sido injusto porque [na minha crónica sobre o assunto] retirei uma frase dela do contexto. Mas quantas vezes é que as pessoas lhe disseram o mesmo durante a carreira? Estamos sempre a fazer isso enquanto jornalistas. O que era irónico é que ela, que é uma jornalista muito experiente, tinha uma queixa idêntica à queixa que lhe tinha sido feita durante toda a sua carreira, e ela não conseguia ver como isso era irónico.

Qual é para si a fronteira entre imprecisões e crime no jornalismo?
É uma questão de intenções. Todos fazemos erros, trabalhamos demasiado depressa, não fazemos aquela quinta chamada... Esses não são crimes, são erros que não deveríamos ter feito, mas foram sem intenção. Mas quando começamos a dizer: “Vou apanhá-lo, vou deixar esta parte de fora da notícia, que explica porque é que ele fez algo”, e o fazemos de propósito, porque queremos que o outro pareça mau, isso é um crime, é um crime sério. Mas penso que acontece mais nos Estados Unidos do que em outros países.
A crónica mais importante que escrevi era sobre a invasão do Iraque: o primeiro chefe dessa delegação do New York Times quando a guerra estava a começar, contratou a sobrinha do Ahmed Chalabi (líder da oposição no exílio, mais tarde caído em desgraça) para trabalhar para ele como assistente e nunca contou isso aos leitores. O Ahmed Chalabi era uma das suas fontes principais, ele tinha boas relações com um membro da família... Não estou a dizer que ela fosse desonesta ou que o repórter fosse desonesto, mas temos de revelar essas coisas. E o facto não o ter revelado foi de propósito. Isto foi muito sério e tive uma luta horrível sobre isso, e depois de ter escrito sobre o assunto ele ficou zangadíssimo. E mais tarde, foi despedido.

Com a importância nada vez maior da Internet e dos blogues, como é que irá evoluir o jornalismo?
É bom e mau, porque estamos a introduzir não profissionais e amadores na prática do jornalismo e eles não sabem do que é que estamos a falar, o que é muito perigoso. Mas é também uma oportunidade para que mais vozes sejam ouvidas, o que é uma coisa boa, particularmente ao nível dos pequenos jornais, em pequenas cidades, que estão em decadência.

Aconselho...

|
... a leitura da crónica do Alvim - e não, até nem sou grande fã do Sinhore - no jornal METRO hoje.

Se ele me arrancou um sorisso, o mais provável é que vocês chorem de tanto rir.

Já agora... a parte mais importante (ou não!) é que tem uma referência à nossa Nessie.

Enjoy!

Descubertas e confissões...

|
Sendo eu no fundo uma mente errante, que vive dos momentos dos outros. Sendo eu indecisa e caminhante, que melhor mundo para sonhar que o da música.

Existe a música? Uma música? Não, não creio. Tal como, aos meus olhos, não existe a verdade ou uma delas. Daí que diferentes músicas, diferentes estilos, diferentes performers me façam sorrir ou chorar, me façam recordar ou amaldiçoar.

Hoje tenho que agradecer ao Sr. Engenheiro, ao JK - para mim sempre, John Peter Pint Honey-O, lembras-te? E sim também tens o teu batalhão de músicas... - e ao universo bloguístico por me ter levado a conhcer algumas letras de uma banda que, possso assumir, não me diz/ia muito. Mas as palavras tocam e, no fundo, toda eu sou palavras.


Wishlist - Pearl Jam

I wish I was a neutron bomb, for once I could go off.
I wish I was a sacrifice but somehow still lived on.
I wish I was a sentimental ornament you hung on
The Christmas tree, I wish I was the star that went on top,
I wish I was the evidence
I wish I was the grounds for fifty million hands up raised and opened toward the sky.

I wish I was a sailor with someone who waited for me.
I wish I was as fortunate, as fortunate as me.
I wish I was a messenger, and all the news is good.
I wish I was the full moon shining off your Camaro's hood.

I wish I was an alien, at home behind the sun,
I wish I was the souvenir you kept your house key on.
I wish I was the pedal break that you depended on.
I wish I was the verb to trust, and never let you down.

I wish I was the radio song, the one that you turned up,
I wish, I wish, I wish, I wish,
I guess it never stops.


E não a ideia não foi "copiar" o post que me precede... foi partilhar mais que gargalhadas... parece que hoje essa é a minha sina.

Nothingman

|
Once divided...nothing left to subtract...
Some words when spoken...can't be taken back...
Walks on his own...with thoughts he cant help thinking...
Futures above...but in the past hes slow and sinking...
Caught a bolt a lightnin...cursed the day he let it go...

Nothingman... Nothingman...
Isn't it something?
Nothingman...

She once believed...in every story he had to tell...
One day she stiffened...took the other side...
Empty stares...from each corner of a shared prison cell...
One just escapes...ones left inside the well...
And he who forgets...will be destined to remember...oh...oh...oh...

Nothingman... Nothingman...
Isn't it something?
Nothingman...

Oh, she don't want him...
Oh, she won't feed him...after hes flown away...
Oh, into the sun...ah, into the sun...

Burn...burn...
Nothingman... Nothingman...
Isn't it something?
Nothingman...
Nothingman... Nothingman...
Coulda been something...
Nothingman...
Oh...ohh...ohh...
lyrics by Eddie Vedder

... --- ...

May I just say...

|
...that:

1º - A minha "aversão" pelo Daniel Craig só piorou;

2º - Não gosto de ser ignorada;

3º - I'm an emotinal rollercoster, with all the bad things implied. Sorry for that...

A part fom that... you can just forget this post.

O regresso

|
E ao fim de 3 difíceis semanas, eis que os dias silenciosos chegaram a um fim...

Weeeeeeeeeee!
|
Gosto do vídeo e gosto desta versão. ^^

Os malefícios do excesso de álcool

|


Acontece a todos...

What to do...

|

When things happen for no rational reason...

Trocas

|
Há algumas semanas atrás tive um acidente com o meu teclado (não interessa para o caso o que aconteceu) que me fez ter de tirar algumas das suas teclas... Ora duas delas foram as de "Home" e "End" como vêem na imagem ali ao lado.
Ontem reparei que ao recoloca-las as troquei de sítio. Só posso concluir que ainda bem que eu uso aquelas teclas não pelo que dizem mas pela posição que ocupam porque senão estava tramado!

Já vi que hoje é dia...

|
... de todos opinarem sobre algo.

Seguindo o conselho que o próprio blog nos dá ("tudo o que nos venha à cabeça") e por conselho do Sr. Engenheiro, resolvi trazer para aqui a minha última "mania"... ganha nos meus momentos de ócio. Procurar outros blogues, um pouco por todo o mundo, um pouco sobre tudo, que me despertam mais que um pouco de atenção.

Já passei por todos os temas, quase todos os idiomas... para hoje fica um momento deste blog que achei simplesmente delicioso:

Gibberish
This is the conversation that went on in the car today.



Radio announcer: "Make sure you turn out to vote"
Tallon: "Vote? I know what a vote is"
Me: "What is a vote?"
Tallon: "A voto albo"
Me: "What is a voto albo?"
Tallon: "You put your pictures in it"
Me: "Oh, a PHoto alBUM?"
Tallon: (Giggling uncontrollably) "Mommy, don't say Bum"
Me: "No, not bum, ALbum- a photo ALbum"
Tallon: "Mommy, don't say bum" (still giggling uncontrollably)
Me: "Ok- call it an ALBO then"
Desiree: (GASP) "BOBO? I YIKE BOBO GUM!!"


Digam lá se as crianças não arrancam mesmo sorrisos?! =)

Aconselho

|
A banda sonora original do filme "007 - Quantum of Solace". Não gosto do genérico, mas o resto da banda sonora está brilhante. Nenhuma falha a apresentar. Já o genérico causa-me espécie e não o consigo encaixar na restante sonoridade do filme.

Muitos mundos

|
Existe uma teoria física na mui complexa e esquesita àrea da mecânica quântica intitulada de "Muitos Mundos". Poderão ficar a saber um bocado mais sobre ela aqui. Isto se tiverem paciência e quiserem que depois de ler vos dê provavelmente uma dor de cabeça... Mas não é para isso que escrevo isto... Longe de mim querer dar-vos dores de cabeça.
A teoria na sua forma mais simples diz que, para qualquer evento que ocorra em que seja necessário efectuar uma escolha, independentemente da que escolham e da que se realize na vossa realidade, existem realidades paralelas correspondentes a cada uma das outras escolhas. Usando um exemplo simples: Se chegares a uma altura em que tens de escolher ir para a direita ou para a esquerda e escolheres ir para a esquerda, existe uma realidade qualquer em que escolheste ir para a direita com todas as consequências que isso poderá ter...

Mas este palavreado todo que até parece que eu entendo muito da coisa serve para quê afinal? Ora eu acho que seria interessantíssimo se se viesse a provar que a teoria é de facto o que se passa. Senão vejamos, poderia ser pelo menos uma espécie de consolo para muita gente. Ora, por cada vez que nos correu mal alguma coisa há por aí uma versão nossa a quem correu muito bem! Sim sim, não serve de muito eu sei, mas olha é o melhor que consegui arranjar.

Assim, pensem deste modo, se não ganharam o euromilhões desta vez, pensem que houve um "tu" por aí que lá conseguiu acertar com a chave... E pronto, aceitando que a tua infelicidade foi a felicidade de outros é bem acreditar que o inverso também pode acontecer. Há muito "tu" a quem pode acontecer muitas infelicidades e nesse caso pode ser o teu dia de sorte!

Dias silênciosos...

|
...são os que eu tenho tido esta e a semana passada. Ora porquê? Pois eu cometi o erro gravíssimo de me esquecer do meu leitor de mp3 no carro de um amigo há 2 semanas pelo que infelizmente me encontro "musicless"...
Mas eu disse silênciosos? Sim, silênciosos mas não tanto para que não houvesse uma ou duas barbaridades que chegassem aos meus ouvidos ontem no metro ao voltar a casa do trabalho... Ora as barbaridades foram as seguintes: (julguem vocês mesmo)
  1. A Anne Frank era tão feia! Não admira que o Hitler a perseguisse...
  2. Se a 2ª guerra mundial fosse agora eu era a 2ª mão do Hitler!
É só cultura naquelas cabecinhas. Agora já sei outro motivo de eu detestar não ter música para ouvir. É para não perder a fé na raça humana...

Uma semana

|
Numa semana...

O meu pai faleceu. Tive o velório. Tive o funeral dele. Tenho a missa do sétimo dia hoje. Agradeço desde já a todos os que compareceram nesses momentos e aos que irão comparecer hoje. É um agradecimento muito sincero. Agradeço também aos contactos que recebi. Igualmente um abraço forte.


Nessa semana...

As instalações do meu trabalho mudaram. Antes, trabalhava no Freixieiro (como podem comprovar por este post) e agora trabalho perto do Campo 24 de Agosto. Muito melhor, pelo menos na parte em que saio de casa às 8h10 para chegar às 9h ao emprego.


E no fim-de-semana...

Estive em formação pelo programa AIESEC, em S. Pedro do Sul, neste caminho que é procurar por um estágio no estrangeiro. Talvez depois escreva sobre isso. Agora não me apetece.

Tecnologia

|
Estava a ler um artigo em relação a ela (a tecnologia) e lembrei-me de uma frase dita pelo bem conhecido escritor de ficção científica, Arthur C. Clarke:

Any sufficiently advanced technology is indistinguishable from magic.

Acho que o homem tinha razão porque às vezes vejo notícias das coisas que nós agora conseguimos fazer e tenho a certeza que se as mostrássemos ao pessoal do século XV, eramos atirados à fogueira!

Sabia que não ia demorar muito...

|
... a conseguir realizar o desejo da nossa Weezinha.

Pois é, re-encontrei o anúncio publicitário que me marca há cerca de 4 anos...!

Basta dizer: "Likes, LIKES!", para alguns de vós saberem do que estou a falar. É estranho como um anúncio pode fomentar amizades, arrancar sorrisos, ser acompanhado de uma sensação de carinho e ternura... semizita tu sabes se quem falamos.

Ora aqui está a pérola publicitária que merece tais honras:



Enjoy (the nostalgic feeling too!) =)

Há alturas...

|
...em que me apetecia andar 60 minutos por hora, 24 horas por dia, 365 dias por ano com uma máquina fotográfica na mão.
Eu já tinha visto coisas estranhas no metro, mas hoje, quando vinha para casa, vi algo que superou tudo! Até aquela gente irritante que teima em ter o telemóvel em alta voz numa música que eu detesto.
O nunca visto foi precisamente um teenager inconsciente com uma mochila em que na pega de cima tinha atado um balão... Esqueci-me da cor do balão mas tentem mais ou menos imaginar a figura do rapazinho sempre a andar com aquele ornamento. Sim sim, só o meu bom senso me impediu de apontar e desatar às gargalhadas!

Os mais perspicazes poderão ter notado na nova label que criei para isto. Eu ia usar a "Estúpido ou inteligente", mas não consegui encontrar a segunda parte na situação...

Nostalgia + pimbalhada = gargalhadas

|
Ora... voltei ao meu belo tempo dos videozinhos!

Eu sei, eu sei ( e não, não foi de propósito - ver video abaixo) já tinham saudades, Yupi! YUPI!

Encontrei esta pérola quando andava à procura do anúncio Laiques, LAIQUES do B!... por isso desta vez a culpa é da Weezinha... o que eu não faço por ti... cof cof...

Why we are here...

|
Where does it come from?
-- this quest? This need to solve life's mysteries, when the simplest of questions can never be answered.
Why are we here? What is the soul? Why do we dream? Perhaps we'd be better off not looking at all.
Not delving, not yearning. That's not human nature. Not the human heart. That is not why we are here.

Voz off do primeiro episódio de "Heroes". Acho que se encaixa muito bem com a série mas também funciona sozinho... Achei por bem partilhar. Enjoy!


The real TV star...

|
Ah pois é... sou EU!... LOL

A pedido da Sr. D. Dr. Multimédica e tal... aviso aqui os lurkers que se quiserem ver a minha pessoa a gozar os seus 15 minutinhos de fama nacional, devem ligar a Televisão no próximo dia 21 de Outubro, 3a feira, por volta das 21.30, na RTP1.

Reparem que só me estou a expor em público porque a situação me correu bem... senão estava caladinha que nem um rato... claro!

Este post servirá então de ponto de partida pa tudo de bom, mas sobertudo de mau, que sempre me quiseram dizer... e sim... vou parecer uma bolinha minuscula porque é verdade que a "TBê" engorda.

A quem já conhece a profundidade do tema e tinha feito apostas... dou pelos mamilos ao Malato... (sim, é uma zona sexy eu sei... embora nele... não me parece)

(E aquii está mais uma bela oportunidade de usar a bela da tag)

Zona "Maia Rural/Industrial"

|
Hoje vim de autocarro(s) para o emprego, o que significa que andei a passear logo desde cedinho. Ando numa de ressabiar contra os STCP porque quero carregar o meu passe e tenho que ir à loja X ou Y, porque é para renovar a assinatura de estudante e só fazem isso em meia-dúzia de sítios. Mas tudo bem.
Continuando, lá paguei um bilhete no primeiro autocarro para ir fazer um percurso turístico que bem se poderia chamar "Maia Rural/Industrial" e levar as pessoas numa voltinha pelos campos do concelho da Maia, passando, perto do final, pela Zona Industrial da Maia e terminando no Aeroporto. Uma voltinha de - apenas! - uma hora. Nada mau, pelo preço significativo!
Mas tudo bem, já estou familiarizada com a viagem e até reparo nas coisas que vão mudando. Hoje, por exemplo, como ainda é greve da função pública, o autocarro (a linha 604) ia vazio, o que é uma diferença abismal em relação ao que é comum nesta altura do ano. Também reparei que os campos de cereais estavam secos e, na grande maioria, já colhidos - sim, estamos em Outubro. Não parece, mas estamos.
Chegando ao Aeroporto, são uns 20 a 30 minutos de espera para apanhar a segunda linha, a 601. E andar 5 minutos no autocarro, a bem dizer. Podia ir a pé, não é? Se não tivesse que ir pela Nacional 107, até ia. :P
Tudo isto para pedir aos senhores das gasolineiras e das petrolíferas que comecem, por favor, a vender gasolina ao preço dos sumos de 33 cl, para eu poder ir de carro e demorar 20 minutos a chegar ao trabalho. :x

Há coisas fantásticas...

|
[isto]

... não há?

Big Bang e outras cenas aleatórias.

|

Uncritical thinking kills

When I saw this website, I laughed. I couldn’t help it; it’s a funny idea.

That webcam site is a joke. It’s not real, it’s a satire on people who think the LHC would cause the end of the world. I laughed when I saw it.

But I’m not laughing now.

In India the other day, a young girl, distraught with fear that the world was ending when the LHC turned on, killed herself. She died, because she didn’t understand the truth.

Now that site is less funny, isn’t it? All over the world, in all different countries, people are raised to believe in superstitious nonsense, and raised to believe with all their hearts that it’s real.

And when we do that, we do far more than remove people from reality. We leave them vulnerable to all manners of nonsense, from believing in fairies to truly and honestly thinking the LHC will destroy the planet. People don’t learn how to think critically, and then they drink homeopathic water instead of taking real medicine, they chelate their children, or they deny their children vaccinations. And when that happens, people die. Children die.

I’m a parent. I sometimes think the most important thing I can do for my daughter is love her, keep her healthy, protect her. But in all of those, there is an overarching responsibility for me to teach her how to live in the real world. And that means showing her how to think. Not what to think, but how.

Question authority. Be skeptical of claims. Ask for evidence. Apply good logic. Avoid bad logic. Analyze the results. Look for bias.

And doubt. Doubt doubt doubt. It’s one of the greatest strengths of the human mind, and perhaps the least used of all.

There is plenty of blame to lay for the death of one young girl. We can blame the crackpots promulgating the LHC = death garbage. We can blame the culture she was raised in, where superstition can be treated like natural law — much like every culture across the planet. We can blame the media, for choosing to focus on the nonsense instead of the tremendous and wonderful and awe-inspiring inquiry into nature the LHC is performing. We can blame the schools, the environment, the world itself.

But the blame lies in us. Too many people choose not to think. But our technology, our society, our impact is vast, and now, today, in this world, that choice is one we can no longer afford.


Read it.

O Zé

|
O Zé é um fixe que foi de férias ter com a Nessie e nos deixou por terras lusas. Ele foi com a difícil missão de provar que a Nessie, afinal de contas, não existe. Por isso, vai tentar tirar fotos ao Loch Ness sem Nessie, sem sombras-parecias-com-a-Nessie-mas-que-não-são-a-Nessie e coisas do género. Isso e sobreviver aos gajos de kilt.

Entretanto, cabe-me fazer este post e avisar de que há movimento na Portuguese Embassy (private message attached).

^^

Check this out

|
This amazing artist is promoting her work on her weblog. :) She has so many cute things that I'm drooling to get some! <3

Divulgação musical...

|
...desta vez State Radio com "Gang of Thieves". Porquê? Porque gosto da música e olha, apetece-me. Enjoy!

Posts que ficam...

|
Este é o link para um post que fiz há algum tempo no outro blog onde participo. E estou a colocá-lo aqui porquê? Ora porque vou de férias e assim como na altura em que o escrevi ele está a tornar-se realidade novamente e decidi fazer uma menção honrosa ao dito cujo... Já que voltar a escrever a mesma coisa outra vez não era muito boa ideia, além de que dava muito trabalho, isto vai ter de ser suficiente!

Depressão

|

Estou oficialmente deprimida.

Retirado do blog Tuga em Londres.

É oficial, o Reino Unido está prestes a entrar em recessão, por isso desengane-se quem pensa que a situação por cá é muito melhor do que a de Portugal nesta altura.

Tudo começou em Setembro do ano passado com a queda do Banco Northern Rock que nesse mesmo mês teve que ser nacionalizado com uma injecção de bilhões por parte do Estado para conseguir manter o negócio vivo e proteger os milhares de créditos imobiliários entre tantos outros investimentos.
Em Marco deste ano o banco de investimento Bearn Sterns também colapsa e é vendido ao Morgan Stanley por uma pequena quantia.
Já este mês, as organizações Fannie Mae e Freddie Mac, nos Estados Unidos, que mantinham cerca de $3trillioes em créditos imobiliários, tiveram que ser nacionalizadas para que conseguissem sobreviver.
A instabilidade do mercado financeiro, com a subida do valor do Euro comparativamente ‘a libra e o aumento do preço do óleo, faz com que pouco a pouco várias indústrias comecem a sofrer as consequencias. E a industria de turismo e viagens é geralmente uma das primeiras a sentir os efeitos. Só este ano já foram várias as empresas dessa industria que faliram. Entre os nomes que conheço posso indicar:
- Maxjet
- Silverjet
- Brilliant Weekends
- Oasis Hong Kong
- Zoom Airlines
-XL Airways & Travel (o terceiro maior operador turístico do Reino Unido)
- K&S
- A KLM foi adquirida pela Air France e a Alitalia está quase a falir também.
- A British Airways está em conversacoes para se juntar com a American Airlines.
- ...
Ontem, com o colapso do banco de investimento Lehman Brothers, para além dos seus 20,000 desempregados na America também em Londres quase 5,000 pessoas sairam do edifício de Canary Wharf pouco depois de terem entrado essa manha. Também ontem, outro grande banco de investimento, Merrill Lynch foi comprado pelo Banco da America, o que irá levar a fortes cortes nos empregos também neste caso. A empresa seguradora AIG ainda se está a tentar “safar” mas está a ver tudo por um fio.
Os acontecimentos de ontem levaram a que os Media classificassem o dia como a “Melt down Monday”, e após os £5billioes injectados no mercado financeiro ontem pelo Banco de Inglaterra, hoje outros £20billioes tiveram que ser injectados como forma de procura de estabilidade. £20billioes!!! Só aqui para o Reino Unido. Esse foi dobro do valor que foi injectado ontem pela Uniao Europeia para todos os países da UE!!
E depois, claro que estes acontecimentos nos vao afectar a todos. A comecar pelos precos do gas e electricidade que já recebi uma cartinha lá em casa a avisar que sao forcados a fazer um aumento significativo dos precos. A EDF (a empresa que fornece o gás e electricidade lá em casa) como beneficio, diz que nos envia gratuitamente 4 lampadas economizadoras de electricidade, como forma a combater os largos custos. Wow! Dao-nos 4 lampadas por aumentarem significativamente os precos. Vai fazer muita diferenca. Obrigadinha! :-/
E quem fala nos custos das utilidades da casa, fala também do preço do gasoleo, dos transportes (que já anunciaram que vao voltar a aumentar novamente em Janeiro), da comida (o exemplo crítico é mesmo o custo do pao já que, em 2005, o pacote de pao de forma mais barato custava £0.24 e ontem, quando fui ao supermercado ver o preço do pao equivalente estava a £0.86), e dos custos de vida de uma maneira geral.
Preocupada? Claro que estou preocupada. Possivelmente as pessoas que estejam numa área que nada tenha a haver com a financeira nao sintam nada para além do custo das compras do dia-a-dia, mas no meu caso uma das unidades de negócio da empresa onde trabalho é mesmo o financeiro, e estamos todos a ver a nossa vida a andar para trás quando anunciam que outro dos nossos clientes está a entrar em administracao.
O dia em que a XL faliu, na semana passada, foi o crítico. Foram mesmo os meus colegas que me informaram assim que cheguei ao escritório nessa manha – “Have you heard the news? XL went bust today”. Passamos o resto da manha calados nas nossas secretárias. Todos sabemos que a XL era um dos nossos clientes mais importantes. As pessoas mantem-se com um ar stressado, houvem-se conversas nos corredores, e existe uma sensacao de incerteza no ar neste momento que nao existia ‘a duas semanas atrás. A questao que se coloca neste momento na cabeca de todas as pessoas é: será que vamos conseguir sobreviver como empresa? E a resposta é: Nao sei.
Um comentador disse nas notícias hoje algo de que ainda nao me esqueci e que era mais ou menos assim: “The credit crunch is upon us and we will all have to deal with it, wether we like it, or not.”

If you need me...

|

... I'll be watching "True Blood". Colei na série. :P

Cá fica uma revisão do primeiro episódio!


The Bloodsucker

There has been a pretty good buzz going about the vampire themed HBO vehicle “True Blood” lately. “True Blood” stars Anna Paquin among others, though she may be the only face audiences recognize immediately. The setting is present day (but with vampires) and due to some advances in their diet, vampires no long have to hunt humans for food. Thus, vampires have come out of the closet to live, work and eat among us. In turn, the vampires are both reviled as a dangerous minority group and also as an object of fascination. At one point a character claims that he “read in Hustler that everyone should have sex with a vampire at least once.” The story concept is based on the popular “Southern Vampire” novels by Charlaine Harris. Its a welcome change from the metrosexual and lace-covered vampires popular culture has been enamored with ever since Anne Rice first published “Interview with a Vampire.” Although for some reason, the series still coagulates around Louisiana as Rice’s vampires did.

Right away it becomes clear that these vampires can be anywhere or anyone. They can even be the camouflage-wearing redneck at the convenience store. We begin to meet the people of the small Louisiana town. They’re stereotypical small town folks. The barmaid, the Wal-Mart employee, the sheriff, etc. Interestingly enough, the Barmaid Sookie (Anna Paquin) seems to be able to hear the thoughts of her country clientele. Her power is limited in that she can’t hear a vampire’s thoughts. The extent of her powers are really only hinted at in the first episode, I’m certain we’ll be smacked over the head with it in the future. Throughout the show, we’re peppered with various references to the bumpkins meeting vampires, including a woman who shares the fact she once had sex with a vampire with a lover, only to have him murder her. The murderer is Sookie’s brother. The murder is clearly a plot line that will have some resonance as the season moves on. Later, Sookie saves a vampire from having his blood stolen (vampire blood has a drug-like impact on the humans) eventually becoming enamoured with him.

The show certainly seeks to challenge the audience’s ideas of society and the place of minority groups. Vampires seem to be used as stand ins for civil rights over and over again. We’re left with uneasy feelings about the vampires. At times, they seem less frightening than the humans who want to drain their blood but the danger they present is ever present. Its a potent allegory, and it sticks.

There are a few problems. First, as a real honest to goodness southerner I can tell you, it is ridiculous how poor many of the actors southern accents are. People from Louisiana (where “True Blood” takes place), sound nothing like Texans or Georgians. The actors apparently had no idea. I now know how the British must feel when some American pretty boy tries to tie on an English accent (looking at your Brad Pitt). Particularly dreadful is Paquin’s attempt. She sounds as if she learned her accent at the Yosemite Sam school of diction. Second, as an program on HBO, “True Blood’s” producers are able to show as much gore, blood and sex as they like. This proves to be a double edged sword. Often the most frightening moments in film and TV are the ones you don’t see. “True Blood” seems to feel very comfortable in its ability to show you anything it needs to. In that way, the series occasionally smacks you over the head with its images.

These headaches will probably not keep you from enjoying “True Blood”. Its interesting, has plenty of action and thrills and is well shot and directed. I hope that as the plot advances, the show explores more of the relationships between humanity and vampires as the tenuous truce between the two continue to grind against each other.

Egocentrica

|
Sim, é a definição que mais se aproxima da minha pessoa quando Setembro chega...

E não é que aqui os meus coleguinhas (reparem no tom de ironia) nem um postzinho à "Marylina Monroi" me escreveram do género "Happy Birthday Miss Poster... la la la" e tal me escreveram?...

Shame on you guys!

(já agora vou aceitar a sujestão da wee e criar yet another etiqueta nova!)

Anoying?... Yes!

|
Eu gostava imenso de ter uma t-shirt destas...

...vocês não?

Ideas anyone?

|
Ora bem... gente que me conhece... vocês, os que me gramam minimamente, sabem (ou deviam saber) que o meu aniversário está próximo.

E porque estou eu a dizer isso no cibermundo?... Para além dos presentes e sms que espero/EXIJO, ou não fosse eu uma interesseira (mas isso já vocês sabem, não é Sr. Dr. Engenheiro?), é que estou sem ideias ou planos, ou melhor, ideias para planos.

Sim, eu, aquela gaja que um mês antes já sabe onde vai, quando, quanto custa e tal...

'Tou em branco... a única coisa que sei é que só posso festejar a partir de dia 15 de Setembro, que não quero lá muita gente, que não pode ser caro, nem longe... ou seja só sei os "don't"s da questão.

(Claro que a Sr.ª Multimédica e o Sr. Dr. Engenheiro estão convidados - ou não estivesse o Sr. ansioso por ver o que vou juntar à minha colecção de pelúcia este ano... LOL... e os de sempre também estão todos, mais ou menos, convidados para a "coisa"... E, não, não faço convites por simpatia... eu NÃO SOU SIMPÁTICA!)

Vá lá... ajudem-me! Ainda temos mais de 10 dias pa discutir ideias... :)

I'm waiiiiiiiiiiiitiiiiiiiiiiiiiiiiiiiing!

Ironia...

|
Ora bem, este post é o resultado de uma descoberta fresquinha, acabadinha de fazer...

Estava eu alegremente a ver anúncios de emprego on-line - como faço todos os finais de tarde - e deparo-me com uma ironia da vida que me trouxe algumas gargalhadas e que vai fazer pensar muitos dos visitantes ex-JCC-ianos (sem ofensa para o Sr. Dr. Engenheiro).

Amigos e amigas que me conheceram nestes últimos cinco anos e que têm mantido contacto comigo... primeiro... visitem o site www.espectacular.pt. Sim, é de uma "empresa" de RElações Públicas e Eventos cá da minha cidadezinha.

Até aí nada de fantástico... mas viajem pelas páginas e vejam se não encontram uma cara conhecida de JCC e uma cara (se é que se pode chamar isso) conhecida das revistas "cor-de-rosa".

Para acrescentar à ironia da "coisa", vou só refrescar as mentes mais incautas de uma das minhas primeiras entrevistas de emprego aqui da je: ora o chefezinho (Deus, para o nosso Sr. Dr. Engenheiro) destas duas belezas é nada mais nada menos do que o Sr. a que eu, à data, apelidei de "José Castelo Branco versão jeans" e que se dignou a dirigir-se a mim, numa das nossas entrevistas, como "menina do problema na perna"... e quem está ele a publicitar agora?... nada mais nada menos que o seu role-model, o verdadeiro do Zézito Castelo Branco (Meu Deus, o homem deve ter atingido os pincaros!).

Ora tudo isto para re-provar ao pessoal de JCC que por aqui passa e ao resto dos lurkers, que a vida é realmente um suceder de ironias e coincidências... bem, bem engraçadas.

(Eu sempre disse que há pessoas que nasceram a querer ser eu... mas isso já é outro capítulo...xD)

Calvinice #2

|
Ok... Esta calvinice tinha de ser uma sequência porque uma isolada não tinha o mesmo efeito!

Desilusões...

|
Ontem quando cheguei a casa vi que a última encomenda que fiz online tinha chegado. Ora como seria de esperar, e tendo ela demorado mais tempo a chegar devido a uma alegada quebra de stock, fiquei entusiasmado com a coisa. Qualquer coisa do género: "Ah boa! Finalmente vou poder ver como continua..." - (A encomenda era uma 2ª temporada de uma série que ando a ver.)
Assim, lá vou eu todo contente buscar uma qualquer ferramenta que me permita abrir a caixa de cartão, que é surpreendentemente bem mais resistente do que poderiam pensar.
Depois de encontrar a mencionada ferramenta volto eu à supercaixa de cartão e inicio o processo de abertura/destruição da mesma. A tarefa mostra-se difícil devido a algumas tiras de fita-cola estrategicamente bem colocadas nos sítios certos, mas lá consegui.
Ora a primeira coisa que vejo dentro da caixa, é claro, são aqueles embrulhos que são bastante divertidos pois contém bolinhas que podes rebentar e afins... Bem, é só coisas boas não é? Não... Como já devem ter adivinhado esta história não tem um final feliz, porque se tivesse eu provavelmente não estava a escrever isto aqui. Os mais perspicazes poderão até ter reparado que eu ainda não mencionei o que estava a ser embrulhado pelas bolinhas. A caixa com os DVD's da minha série? Bem, caixa com DVD's sim, da minha série não. Pois é, imaginem a minha surpresa quando descubro que se enganaram na encomenda e me enviaram a série errada. Depois de tanta espera e espectativa apanhei com uma desilusão destas... Não fiquei muito contente não.
Mas resolvi contar aqui a minha história não porque sou masoquista e gosto de me lembrar do desastre de ontem, mas sim para servir de aviso para os outros. A moral da história é portanto: Não cantem vitória antes do tempo, não deêm as coisas como certas... Porque dentro das bolinhas pode não estar o que pensam...

É só para...

|
... dizer que passei por aqui!

Ou pensam que já me esqueci deste cantinho de pérolas, degredo, desabafos e ressabiamento?... nah!... ficou gravado nos meus pesadelos, foi o que foi!

Ainda por cima agora que o blog subiu de categoria e já conta com a presença de um Engenheiro... upa upa!

E não, não há videozinhos... sei que é uma falha e milhões de fãs (imaginários, claro!) vão cortar os pulsos esta noite; mas ando sem ideias.

Missed me?
(não, eu sei que não...)

Romain

|
I'm looking for a way
To calm these voices in my head
With all this mad confusion
I don't wanna leave this bed
I'm on the run
I'm on the run again
And I don't know which way is left
And there's no point in not being right
So I'll hold my breath 'till I see the light
I'm on the run
I'm on the run again
From me
I'm drowning in these feelings
And it's scaring me to death
Staring at the ceiling
So many things I could have said
I'm on the run
I'm on the run again
And I don't know which way is left
And there's no point in not being right
So I'll hold my breath 'till the morning'
Till I see the light
So, so many times
So many signs
You're out there waiting
I should have known you're out there waiting
Ooh
And I don't know which way is left
And there's no point in not being right
So I'll hold my breath 'till the morning
'Till I see the light
I'm on the run
I'm on the run again
From me


Natalie Imbruglia - "On the run"

-

Romain.*

Weeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee.

|
[Porque sim!]

Weeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee.

[Quero lá saber do resto.]

Rotina

|
Tal como em outras coisas, há rotina também nos programas de rádio. Assim, e como passo cerca de 3 horas (mais até para o lado das 4 horas) por dia em transportes, estou sempre de auscultadores nos ouvidos a ouvir rádio.
(Não ando de leitor no bolso, deixei-me disso. :P)
Assim, tenho cerca de 10 estações gravadas no telemóvel e vou fazendo zapping. Bastante; ao ponto de não parar quieta e de dar duas voltas à lista das estações e ainda estar na mesma música quando volto à primeira. Sendo assim, há músicas que dão à mesma hora, todos os dias, na mesma estação.

De manhã, quando chego ao Aeroporto, dão sempre estas músicas:
  • "Pocketful of sunshine" - Natasha Bedingfield
  • "Desert Rose" - Sting
  • "Baby, when the lights" - David Guetta
  • "Violet Hill" - Coldplay
  • "Kiss me, oh kiss me" - David Fonseca (na verdade, esta passa um bocado antes de eu chegar ao Aeroporto :P)
  • "The sweetest thing" - U2
  • "Heart of glass" - Blondie (M80, what else?)
  • "The way I are" - Timbaland feat. Keri Hilson
Não necessariamente por esta ordem nem todas na mesma estação, mas passam sempre.

Conclusões? Se eu fosse de carro, não teria tempo para me dedicar a estas coisas!

Pode ser útil...

|
How long could you survive in the vacuum of space?

Nunca se sabe quando poderá acontecer... Assim já sei quanto tempo me vai restar!

The definition of madness...

|
Esta é a página que obtenho se procurar o meu nome completo (sem acentos) no Google e usar o famigerado botão "I'm feeling lucky".
Lembram-se do mito do número a seguir ao número do BI no cartão que se dizia corresponder ao número de pessoas com o nome exactamente igual ao teu? Bem, se não se lembram também não vale a pena explicar porque é mesmo mito e esse número é simplesmente para controlo.
Ora este último parágrafo serve para quê perguntam vocês? Bem, se não fosse mito este seria um dos tais que partilhariam do meu nome completo.
Outra pergunta que podem fazer é se eu não tenho coisas mais importantes do que isto para fazer. Sim, tenho e não, não me apetece faze-las...

How lucky are you feeling today?...

Typographunnies

|
Aconselho vivamente a que visitem este site.
As piadas são, regra geral, boas. Não garanto que as percebam. :P

Coisas do tipo (Tipo! Perceberam? Tipo!! :P):

A sans-serif face walks into the street and is hit by a Swiss Modernist truck. The carnage is grotesk... but you know, akzidenz happen.

A font walks into a bar. The bartender says “Hey, we don’t serve your type here.” and he called the Serif.

Yo mama’s so old, she refers to Century as Futura.

How long does it take for a type designer to change a light bulb? - It depends on if you need it to be: normal, bold, or heavy.


What kind of fonts do Campbell’s Soup lovers prefer? - Anything Condensed.

É só pra dizer que

|
estou revoltada por morar uns dez quilómetros do trabalho e demorar quase duas horas a chegar lá. Ressabia-me logo de manhã.

Proibida distribuição gratuita de maçãs numa campanha contra a obesidade

|
Acção equiparada a campanhas de marketing e publicidade
A distribuição gratuita de maçãs em várias praias do Algarve foi esta semana proibida pelo comandante da Zona Marítima do Sul, depois de o mesmo ter acontecido a uma campanha de oferta de pêras e após terem sido levantadas diversas dificuldades à exploração comercial de massagens nos areais da região.
A distribuição de maçãs tinha sido preparada por uma associação de produtores com sede em Alcobaça e tinha o apoio da Fundação Portuguesa de Cardiologia, no quadro de uma acção de sensibilização sobre a obesidade e do excesso de colesterol. A iniciativa, que foi lançada nas praias da região centro no ano passado e estava inserida num projecto da Comissão Europeia, incluía a entrega dos frutos e de um folheto sobre os benefícios do seu consumo.O presidente da Associação de Produtores de Maçãs de Alcobaça, Jorge Soares, citado pela TSF, adiantou que, ao contrário do Algarve, houve algumas zonas em que as capitanias autorizaram a distribuição da fruta, mas proibiram a entrega da brochura. O Estado-Maior da Armada explicou, entretanto, que a decisão tomada no Algarve tem por base o Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC), que "interdita estas actividades, a sua realização nas áreas concessionadas". O comunicado refere que deram entrada nas capitanias "dezenas de solicitações de empresas de marketing e publicidade que pretendem utilizar as praias de banhos, durante a época balnear, para promover os seus produtos" das mais diversas formas. A autoridade marítima salienta que estas actividades originam "incómodos aos utentes" das praias e "conflitos com os outros usos próprios das praias (...)", pelo que, tendo em conta a proibição do POOC, os pedidos "têm sido indeferidos".
Fonte: Público online

Personalidade? Que personalidade?!

|
Global Personality Test Results
Stability (60%) moderately high which suggests you are relaxed, calm, secure, and optimistic.
Orderliness (50%) medium which suggests you are moderately organized, hard working, and reliable while still remaining flexible, efficient, and fun.
Extraversion (40%) moderately low which suggests you are reclusive, quiet, unassertive, and secretive.
Take Free Global Personality Test
personality tests by similarminds.com


Bem... Números mais redondos que estes acho que era impossível!

Teste de personalidade

|
Global Personality Test Results
Stability (46%) medium which suggests you average somewhere in between being calm and resilient and being anxious and reactive.
Orderliness (63%) moderately high which suggests you are, at times, overly organized, reliable, neat, and hard working at the expense of flexibility, efficiency, spontaneity, and fun.
Extraversion (26%) low which suggests you are very reclusive, quiet, unassertive, and secretive.
Take Free Global Personality Test
personality tests by similarminds.com

Please Bleed

|
Hoje cheguei ao trabalho a ouvir esta música e achei por bem deixar aqui o registo. Não se preocupem, eu não vou fazer isto todos os dias!

Make me feel like a beggar
Make me feel like a thief
Make me feel like a battle, that cannot end in peace
Make me feel like running, as if I've lost my nerve
Make me feel like crying, tears I don't deserve

Please bleed
So I know that you are real
So I know that you can feel
The damage that you've done
Who have I become
To myself I am numb, I am numb, I am numb

Is this really living? sometimes its hard to tell
Or is this a kind of gentler hell?
Turn out the lights
And let me stare into your soul
I was born and bled for you to hold

Please bleed
So I know that you are real
So I know that you can feel
The damage that you've done
Who have I become
To myself I am numb, I am numb, I am numb

Never said thank you
Never said please
Never gave reason to believe
So as it stands
I remain on my knees
Good lovers make great enemies

Please bleed
So I know that you are real
So I know that you can feel
The damage that you've done
Who have I become
To myself I am numb, I am numb, I am numb

--Ben Harper

Cartão LOL

|
Apresento-vos o Cartão LOL!
Não, isto não é uma piada inventada por mim (bem poderia ser, mas não :P); é, antes, o novo cartão da Caixa Geral de Depósitos.
Não vos dá entradas para o circo (para mim isso nem seria motivo de "lolar" :P mas gostos não se discutem) nem coisa do género, mas ao menos tem um nome que ainda não tinha visto aplicado a um cartão de crédito (ou, segundo eles, "cartão pré-pago"). Supostamente, "LOL" quer dizer alguma coisa, mas como já não me lembro do que é, fica em aberto para quem quiser descobrir. E não diz no site, respondo já a isso.

Heart Robot

|
Quase humano, dizem.
"Criado num laboratório de robótica de Bristol, Inglaterra, o robô Heart simula a respiração e até tem um coração que abranda quando se acalma. O segredo do seu sucesso é a capacidade de interagir com as pessoas que encontra." [Público Online, vídeo]

Site oficial
.
|
Can you find me on MSN?
Shame on you. MSN off state on.

Happiness

|
Dan: Everybody wants to be happy.
Larry: Depressives don't. They want to be unhappy to confirm they're depressed. If they were happy they couldn't be depressed anymore. They'd have to go out into the world and live. Which can be depressing

in "Closer" de Mike Nichols, 2004

Emilie Simon

|

Aconselho que ouçam algumas músicas desta jovem.

[Descrição Last.fm, adaptado]
Émilie Simon é filha de um engenheiro sonoro, e cresceu em Montpellier, na França. Ela estudou canto lírico no Conservatório durante 7 anos antes de estudar músicas antigas em Sorbonne e, mais tarde, música na IRCAM; ela tentou tocar Jazz e depois Rock, até que finalmente se resolveu por música eletrônica.

Ela escreveu, compôs e cantou todos os seus álbuns, e também é acostumada com equipamentos de gravação, frequentemente dando um toque pessoal nas músicas e na produção. Ela programa e edita os efeitos sonoros na maioria de suas músicas. Seu casamento com John Santiago era um segredo até Agosto de 2007. Émilie Simon continua expandindo sua fama pela nação, e pelo mundo.

Em maio de 2003, Émilie lançou o álbum “Émilie Simon”. O álbum eletrônico foi muito aclamado pelos críticos e fez sucesso comercialmente. Para promover seu álbum, Émilie fez várias apresentações na televisão por toda a França. Em 2004, ela recebeu o prêmio “Victoire de la Musique” na categoria ‘Álbum Eletrônico’ com “Émilie Simon”.

Queres ser o Pikachu?

|
Porque nunca se sabe quando uma coisa destas pode vir a ser útil... Tirado da WikiHow.com

How to Be Just Like Pikachu

If you love Pikachu then why not be Pikachu. He is a mouse so living his life might be a little difficult, but some of his traits are valued in people like his loyalty and wit. Step into this guide and be just like everybody's favourite little critter!

Steps

  1. When you're around little children (like Togepi) you must be mature and responsible and willing to stand up for them when they're being bullied. You should be standing up for most people whether they're your friends or not. Children need to enjoy your company and you need to enjoy theirs - providing they aren't pulling you about that is! You know right from wrong and you make that perfectly clear, even if doing so is a threat.
  2. You should enjoy your food like it's a hobbie. Nothing quite beats a juicy red apple as a snack during your day. You should be happy quietly munching away at your dinner and letting everybody else do the talking.
  3. If you know somebody who has a crush on you or just wants to be your friend but you think they're a little out of your league don't hesitate to ridicule them. Be obstinate, sarcastic and down-right rude even if they're trying their best. Once they've proved their worth give them a chance then it'll be your turn to really make your relationship special. If they still care for you at this point then they should be more than happy to take it! Pika doesn't want to be mean - this is just his way of showing you he's shy!
  4. You need to be popular around friends either because of your friendliness, humour, selflessness, loyalty, cuteness or some unique value. You just have one of those personalities. However, there may be some people who don't like you the way you are and want to change you! You must be happy being who and what you are and not seek conformity, even if Lt Surge tries to scare you into it.
  5. It's because you are cute and sweet why many people think you are a pushover and underestimate your power. You may also come across a bit dim but it's only because you don't like to brag. In reality you need to be a strong person who can be relied upon as a thinker, a leader and one who solves conflict in a group. You should just want to get things done and enjoy yourself at the same time by being with others. That's why you have to let yourself be emotional and sentimental at times when what's important to you is celebrated.
  6. Now you are just like your sparky little idol! Watch episodes of pokemon to see how he behaves in certain situations. Note is facial expressions, body language and his attitude. Charming isn't he?


Tips

  • Not everyone can be as adorable as Pikachu, so work on what raises your cutness the most like your doeful eyes or your politeness. Then you can give people a taste of your shocking personality.
  • Spend some quality time with family as Pikachu likes being around others of his kind as well as friends. Watch a movie or play a game. Pikachu loves playing games, especially outdoors.
  • Be bold and adventerous. You should like to try new things of all kinds - go to new places and meet new people as well. You should always be even happier to see old faces as well though!
  • It's optional, but when happy or worried or curious you might want to have your own phrase. People will be creeped out if you just say "Pikapi" every two minutes, but Homer says 'Doh' and Vhelma says 'Jinkies' you why don't you have your own word too. You might even find you're a bit of a trailblazer like Pikachu himself.


Warnings

  • Where step 3 is concerned, it is advisable that you do not behave like this in a job interview with your potential boss or work colleage. It wont make your worklife easy if you climb up a tree every time they try to reaon with you is it?
  • Do not try to electrocute those who annoy you. We all feel like doing this at times but remember you're only being 'like' Pikachu. Throwing a toaster in your flat mate's bath because they used your toothbrush is simply not acceptable. Try taking a nap instead - Pika likes his naps.
|
Depois de Madrid, eis que andei a experimentar por cá o "impensável" (para mim :P) - lojas de roupa! Pois é, pois é, não fiquei por Madrid, não.
Só digo: lojas de roupa e eu não combinamos mesmo! :|

Lar.

|
Cansada, depois de um dia de trabalho. Sem vontade de fazer seja o que for, porque nem sequer dormir consigo, começo a dar azo a um vício meu - ver fotografias. Dentre as centenas que vejo, algumas fazem-me desejar voltar ao momento em que as tirei, porque me lembro de cada momento que fotografei, por mais leviano que pareça.

Saudade. (Será mesmo?)
Tudo depende de como vejo as coisas e sei que nem todos as vemos da mesma maneira e que, várias vezes, cada um de nós teima mesmo em como as vê completamente diferentes de como os outros as vêem. Não deixam, portanto, de ser pontos de vista. Não deixam, portanto, de mostrar algo de nós.

Tenho no meu Flickr algumas fotografias que descrevi como postais da minha cidade natal ou postais de "casa". Só que, neste momento, para mim não há "casa"; "casa" enquanto lar. Onde anda, totalmente perdido em labirintos, nalgum sítio em que eu não encontro, esse sentimento bom de acolhimento, de aconchego. Não há nada a que eu chame "lar, doce lar", assim como não há ninguém a quem chame "paz".

Estou simplesmente cansada.

God will...

|
Bem, não resisti a copiar para aqui o video que vi num blog que costumo visitar. É o "Que Treta!". Bem, copiar não é bem o termo porque o video está no YouTube por isso... De qualquer maneira, a partir de certa altura não conseguia deixar de rir a ver e ouvir o video por isso acho por bem partilhar esta preciosidade! Have Fun!



Descoberta de fóssil de crustáceo revela Antárctida com clima mais quente

|
Os Vales Secos na Antárctida parecem imutáveis. (...) Mas um grupo de cientistas do Reino Unido e dos Estados Unidos descobriu fósseis com 14 milhões de anos de um tipo de crustáceos chamados ostracode. A descoberta obriga os investigadores a imaginar aquela paisagem agora inóspita como uma região com vegetação, lagos e com um clima mais temperado.
“Na Antárctida é a primeira vez que se encontram fósseis destes”, disse Mark Williams do departamento de Geologia da Universidade de Leicester, referindo-se aos fósseis de um milímetro de comprimento, que pertenciam a organismos que viviam em lagos.
No Monte Bóreas, situado na ponta do vale McKelvey, um dos três que formam a região, os cientistas encontraram outros fósseis. (...) os ostracode [foram os] que surpreenderam os investigadores: “Temos pernas, partes bucais e os órgãos reprodutores. Até conseguimos ver os pêlos das pernas”, disse o geólogo, entusiasmado com o grau de conservação dos fósseis.
A segunda surpresa é que a descoberta obriga a rever a cronologia climática do continente. “A presença de ostracode que vivem no lago a estas latitudes - 77 graus Sul - é notável. Na distribuição moderna, os mais a sul estão a 60 graus”, explica o investigador. (...)
Segundo Adam Lewis da Universidade do Dacota do Norte, nos Estados Unidos, em 250 mil anos os glaciares que rodeavam aquela área deixaram de alimentar os lagos, o clima arrefeceu e gradualmente a região foi se tornando como hoje a conhecemos. "Passado 13,8 milhões de anos não existe água, é seco e frio”, disse o investigador à BBC News.
A descoberta foi publicada na revista científica “Proceedings of the Royal Society B” e vai ajudar a compreender a evolução do clima terrestre. “Temos este enorme salto climático que aconteceu há cerca de 14 milhões de anos, quando os oceanos se reorganizaram e a Antárctida congelou”, explica Williams. Para o investigador, os fósseis precedem a mudança e são o seu testemunho.

Fonte: Público Online (adaptado)

Aprendamos com eles...

|

Vá... Cheer up Wee!

Onde tá teu mestre?

|
Pode não ser mestre mas é sol e é quentinho. Onde anda ele? Chega uma pessoa ao ponto de o dar como certo e depois acontecem coisas como estas! Não acho bem.

PhotoEspaña

|
Já começou (ainda eu lá estava xD). Passa por cá. Até 27 de Julho. :)
PhotoEspaña.

Publicidade.

|

Created with Admarket's flickrSLiDR.

Bijeu

|
Voltei, voltei, voltei de ! Numa frase: Ok, eu gosto de cidades grandes, de preferência no litoral.
Viseu, 42º. Porto, 30º. Dúvidas?
Isto de andar a viajar e depois perder transportes não dá com grande coisa, às vezes. :P

Calvinice #1

|
Ora eu há algum tempo tinha um blog exclusivamente dedicado a tiras de Calvin & Hobbes. Era uma por dia até que a certa altura me fartei...não, fartar não, é uma palavra demasiado forte. Digamos que me encontrei entediado pela monotonia que era fazer posts de tiras uma vez e outra e outra e outra... Vocês entendem certamente. De qualquer maneira, decidi revitalizar parcialmente essa ideia e de vez em quando vou aproveitar este espaço para recordar o belo trabalho de Bill Watterson. Enjoy!

Videoclips preferidos 2

|
Red Hot Chili Peppers - "Around the world"
R.E.M. - "Everybody hurts"
Manu Chao - "Raining in paradise"
Zita Swoon - "Banana queen"

Jamais desafiarás as cartas lidas...

|
Bem, eis o meu primeiro post depois de a Wee ter extendido a participação neste espaço à minha pessoa!

Primeiro, os meus agradecimentos e um bem hajam aos outros membros. Isto de escrever num blog em vez de simplesmente comentar envolve uma maior responsabilidade.

Segundo, o verdadeiro motivo desta minha contribuição:


Sim, acabei de chegar desse maravilhoso festival fazem agora perto de 2h e foi BRUTAL! Estou todo roto mas valeu a pena como poucas coisas valem realmente! Igualmente bom como o ano passado, teve excelentes actuações de bandas conhecidas, menos conhecidas e perfeitos estranhos. Para a história ficam actuações de "The National", "The Hives", "Rage Against The Machine", "Kumpania Algazarra", "The John Butler Trio", "Within Temptation", "Xavier Rudd" "Neil Young" e "Ben Harper". E isto usando apenas nomes do palco principal... Estou certo que houve também qualidade no palco secundário mas, não há tempo para tudo.

No geral, para mim, teve um balanço positivíssimo e, a não ser que as cartas digam que vá ser impossível, para o ano lá estou eu! Aconselho toda a gente a ir também, mesmo que não conheçam as bandas. A probabilidade de serem surpreendidos é grande!

Eles estão de volta!

|
Se eu triplicar o saldo na praia,
desfilando como um manequim,
os rapazes vão ter simpatia
e as miúdas inveja de mim.

É um saldinho pequenino,
triplicado e amarelo que eu vi
numa loja ao pé do liceu...

Sirigaitai yupi yupi ai!

Sirigaitai yupi yupi ai!