Resultados de pesquisa

Mais boas festas

|

Happy Xmas 2009!

|




Ora então um feliz natal para todos os que passam aqui por este mui modesto blogue! Quer dizer, para os que passam e para os que não passam. Não vamos discriminar. Tudo de bom é o que vos desejo e já sabem - Abusem!

Inverno

|
Ontem foi o solstício de Inverno. O sol atingiu o seu ponto mais baixo no horizonte e agora até ao solstício de verão vai ser sempre a subir! Isto se estiverem no hemisfério norte. Se estiverem no hemisfério sul é tudo ao contrário. Baixo por alto, Inverno por Verão e subir por descer. Independentemente do hemisfério, os solstícios proporcionam, para as pessoas na hora e local certo, fotos fantásticas. Assim, qualquer coisa como esta...





Ok, apanharam-me, não é preciso ser o solstício de inverno ou qualquer outro tipo de solstício para tirar esta foto, mas é bonita não é? :D

Wallpaper fun

|


Esta é a imagem que tenho como wallpaper no trabalho. Alguns factos curiosos acerca dela:

  1. É uma nebulosa estelar cujo nome facilmente adivinham. Se pensaram "Cabeça de cavalo" acertaram em cheio. A forma característica é difícil de não reparar.
  2. Está a uns míseros 1500 anos-luz de distância de nós... Qualquer coisa como 14 181 382 433 000 000 quilómetros! Por extenso é qualquer coisa assim: Catorze mil cento e oitenta e um biliões trezentos e oitenta e dois mil quatrocentos e trinta e três milhões de quilómetros. Coisa pouca...
  3. Ao contrário do que possam pensar a nebulosa em si não é a parte colorida, é a parte escura da "cabeça" do cavalo. Se não fosse a amiguinha atrás não a conseguíamos ver.
  4. A "zona" onde se encontra esta nebulosa é uma autêntica maternidade de estrelas por isso alguns dos pontos brilhantes que se vêem perto do "pescoço" do cavalo são possivelmente estrelas ainda em fase de formação. Isto fá-las ser bem mais antigas logo bem mais distantes. Assim, estão a ver aquele número que eu pus acima? Multipliquem-o vários milhões de vezes e é capaz de ser mais ou menos a essa distância a que estão. Não dá mesmo para meter na cabeça tais valores.

Bem, mas quem não estiver muito interessado nestes pormenores voltem a olhar para a imagem... Lindo não?!

Loucura

|
Peço desculpa se não do vosso agrado (porque a bem dizer, nem toda a gente o aprecia), mas há tipo de música em que se veja tão bem o quanto a nossa língua portuguesa é bela?

A list...

|
...of things I'd like to be alive to see, but almost certainly will not.

In no particular order:
  • The day we make first contact with intelligent extraterrestrial beings.
  • The day the first self-aware artificial intelligence is created.
  • The day we achieve Time-travel. (Oh come on... Who wouldn't want this?)
  • The day Teleportation becomes possible. (Again, who wouldn't want this?)
  • The day where we can build a machine that generates more energy than it consumes. (OK, this one is actually an impossibility according to our current understanding of nature but it'd be cool wouldn't it?)
  • The day Star Trek's holodeck becomes a reality.
  • The day the first human colony is established in the Moon/Mars
  • The day Man realizes that all religions were created by him and that no supreme beings exists but Man himself. (This one was actually based on a book I recently read)
Some are possible, some not so much and some we simply don't know... How cool would all of them be!

What would you put in your list?

Cão que fuma / Chien qui fume

|
Cão que fuma ou Chien qui fume é o nome de um restaurante bastante antigo da baixa portuense, de ambiente muito acolhedor e decoração simples, com objectos antigos e muitos... cães que fumam.

Na Rua do Almada, perto do cruzamento com a Ricardo Jorge, o Cão que fuma dedica-se à cozinha internacional, apresentando pratos como Cordon Bleu, Bife de três pimentas, Carne à Mexicana, Lombinhos à moda de Zurique e Panados de Perú com molho de manteiga e ervas.
Tem várias vantagens: o ambiente é recatado, o restaurante é pequeno e servem boas doses, capazes de deixar qualquer um satisfeito. Gosto imenso dos cozinhados, bastante próximos do chamado "caseiro", com batatas fritas na hora (sem serem congeladas) e arroz bem soltinho, por exemplo.
Além do mais, servem sempre rapidamente e os alimentos são frescos. Agrada-me poder espreitar para a pequena cozinha e ver tudo a ser preparado.

Em relação às sobremesas, aconselho o gelado de café - sendo eu suspeita por ser um dos meus preferidos - bem servido, como não poderia deixar de ser.

Desde o pão fresco, as doses bem preparadas e servidas sob um sorriso simpático, à sobremesa, este é um espaço que não desaponta quem lá vai e deixa sempre o convite a uma nova visita.

Uma refeição poderá rondar os 10€, dependendo das escolhas do menu. Aconselhado.

Pormenores: Tem take away. Ao fundo da sala é comum não haver rede (telemóvel), o que torna um jantar desprovido de contactos e importúnios.

What burns?

|
Decidi seguir um exemplo (talvez roubar descaradamente a ideia seja mais apropriado) que vi num blogue que sigo. Quando aqui no Weedeias se fazem posts que usam as lebels "confissões ressabiadas", "Estúpido" entre outras, obviamente se está a falar mal de alguma coisa/pessoa. Assim, a partir de hoje, sempre que eu fizer um post que se encaixe nessa categoria vou colocar no fim a seguinte imagem...


Além de se adaptar perfeitamente a certo tipo de situações/pessoas, acho que o cartoon está excelente. Convido todos os participantes a usufruir deste cartoon quando assim se justificar!
|

Para dar sorte à selecção! Porque nós deviamos comer aqueles bósnios todos! O que é isso de cuspir e insultar os jogadores da selecção?! Só nós portugueses é que podemos fazer isso! Mas o que é isto afinal?!

End of the World

|
Esta tinha de vir para aqui!

Uma casinha bonitinha

|
O planeta onde vivemos é mesmo bonito não é? Especialmente quando visto a 630,000 quilómetros de distância e mesmo não se vendo grande parte da superfície, como na imagem abaixo!

Shakesbeer

|
Numa bela noite de Setembro, tivemos a oportunidade de parar para um jantar relaxado no Shakesbeer, no Campo Alegre (no Porto).

Mesmo em hora do jantar, por volta das oito, conseguimos uma mesa junto à janela, zona de não fumadores, o que tornou a refeição ainda mais agradável. Dispensadas as entradas, preferimos esperar logo pelas nossas escolhas para a noite: Bife com molho de frutos vermelhos e Perna de Pato com laranja.
Servidos rapidamente, tomámos o devido tempo a apreciar o conjunto que se formava em cada prato e a viajar através dos aromas.

Um belo jogo de cores em cada um dos pratos: sobre fundos brancos, as carnes dançavam com os frutos e vegetais. Um bife generoso, com molho de frutos vermelhos e alguns dos mesmos inteiros, acompanhado por batatas, emanava um aroma adocicado, contrastante com alguma - ligeira apenas - acidez do molho. De textura muito agradável, cozinhado no ponto, para que não estivesse nem cru nem demasiado passado, agradava a paladares exigentes. Em suma, um bom prato para um jantar agradável, não poderia desapontar sendo tão bem confeccionado. A acompanhar, uma Bock.
A perna de pato, muito tenra, ao contrário do que muitas vezes se encontra, sem gorduras excessivas que lhe toldassem o sabor, mostrou todo o seu explendor em aroma e textura, desde a primeira até à última garfada. A laranja, macia e ligeiramente doce, acompanhou soberbamente esta carne, não ficando este conjunto aquém de qualquer expectativa. O toque final: as batatas assadas e as verduras frescas, passadas por azeite, terminaram o que havia sido começado - uma sinfonia harmoniosa de aroma e sabor.

Satisfeitos com o jantar e com pena por termos pouco tempo mais disponível para degustarmos uma sobremesa, demos por terminada a refeição dessa noite.


Veredicto: muito agradável, com um preço total de cerca de 25€.

Just Breathe...again...

|
Eu sei que já fiz um post a divulgar esta música mas, eu gosto tanto dela e achei este widget tão giro que tinha de o colocar aqui outra vez!



Fate and dreams

|
Morpheus: Do you believe in fate, Neo?
Neo: No.
Morpheus: Why not?
Neo: Because I don't like the idea that I'm not in control of my life.

I'm normally a "Neo" kind of person because not only do I not believe in fate, but I also share the "not in control" part. Except maybe when something bad happens. My way of dealing with it I guess. Maybe it's better to think - "There was nothing I could do..." - rather than - "It was probably my fault...".
I don't know...

--

Morpheus: Have you ever had a dream, Neo, that you were so sure was real? What if you were unable to wake from that dream? How would you know the difference between the dream world and the real world?

Well, you wouldn't really... I mean, who knows, maybe we are all in this huge dream that we can't possibly get out of. If we are, be on the lookout for strange people with strange messages. Maybe they'll give you the choice between a blue and red pill...



*New label

New layout ready

|
This new layout was an inspiring way of changing. I like it very much and I guess it fits the members of this blog.
It will probably suffer some more slight changes and adaptations in order to better suit us and the blog itself, but this is pretty much the way.

So it has been the Designer's day somewhere!

New layout

|
Well, time for a new layout. Wait and see.
Will probably upload it tomorrow (well... today, in fact).

Cheers *

Ze beautiful drums

|
Eu sou uma pessoa que gosta imenso de percurssão. É uma coisa que acho que pode chegar a níveis extremos de dificuldade de execução. Quando associado a coreografias elaboradas mais difícil pode ainda ser.
Posto isto, quando vi o vídeo que coloquei abaixo só pude chamar aqueles senhores de mestres. Incrível! Como o autor do post do blogue onde fiquei a conhecer isto disse: "Nós humanos temos talentos incríveis: imaginação, inteligência, destreza, e capacidades musicais que são realmente fantásticas!"
Do enjoy!


|

Definition of love

|
Via Bear.

Nao acho bem...

|
Clear

Porto
26°C
Current: Clear
Wind: E at 13 km/h
Humidity: 23%

...quase a meio de Outubro. Quer dizer, eu até nem me importo, mas suspeito que isto vá ser como aquilo da calma antes da tempestade.

Olha... Diiiiiiz

|
Sophia*
vamos jogar pictionary

Ju
n sei como conseguiste falar tanto de um brush
heyyy
isso é q era xD
m n podemos ser so duas lolol

Sophia*
nah
:D
tens pictionary? :x
LOL

Ju
errr
nao
LOLOLOL
muito bom...

Sophia*
ohhhhhhhhh
Vamos comprar!!!!

Ju
esta era digna dakele blog

Sophia*
XD
era mesmo!

Ju
conversa de malucas
mas quem joga conosco??

Sophia*
LOLOL
olha, chama o teu irmão

Ju
humm deixa pensar
ele deve estar a trabalhar ate tarde

Sophia*
chama quem quiseres
CHAMA O ANTÓNIO
CHAMA O ANTÓNIO

Ju
falta o gesto
(Y)CHAMA O ANTONIO(Y)
espera
se calhar ate tenho pictionary
n sei
tenho q ir ver
lolol
pq uma vez eramos miudos
e deram uma cena assim ao meu irmao

Sophia*
lindo xD

Ju
mas iamos p onde?

Sophia*
olha, à falta de melhor, ficávamos aqui

Ju
podiamos vir praki

Sophia*
ou isso
como queiras
LOLOL

The Stairano

|
Chegou-me um feed com este vídeo que obviamente partilhei com todos os que me seguem, mas achei tão genial que tinha de o colocar aqui também. É brilhante!


Bastard, he says.

|
Já há algum tempo, estava eu a ouvir a "Echoes" (1971), dos Pink Floyd e voltei a recordar-me de umas palavras que li numa entrevista do Roger Waters à Q Magazine, em 1992. Nessa entrevista, algures lá no meio, ele fala da "Echoes" e do suposto plágio que Andrew Lloyd Webber fez aquando da composição da banda sonora do musical The Phantom of the Opera (estreia em 1986, Londres).
Quem ouvir a música, vai perceber facilmente porquê, mas mesmo assim deixo aqui uma passagem dessa entrevista.

"Echoes. Yeah the beginning of that bloody Phantom song is from Echoes. DAAAA-da-da-da-da-da. I couldn't believe it when I heard it. It's the same time signature - it's 12/8 - and it's the same structure and it's the same notes and it's the same everything. Bastard. It probably is actionable. It really is! But I think that life's too long to bother with suing Andrew fucking Lloyd Webber. I think that might make me really gloomy."


(Confesso que gostei do modo como o "Bastard" encaixa ali no meio.)

Pois é, pois é...

|
Para celebrar o Dia Mundial da Música, resolvi dar um ar da minha graça - é verdade, afinal estou alive... and kicking! - e presentear-vos com uma certa versão de que já falei há umas semanitas num jantar com os outros wee-istas (ou será wee-zeiros, wee-senses? Well... you know...)

Ladies and Gentlemen:
http://www.youtube.com/watch?v=NWMIXRl6I1g

(Porque o embebing não está a funcionar...)

E não... não é nenhuma homenagem tardia. Eu gosto mesmo da letra :)

The Springfield Connection #1

|
Mr. Burns: Turn around Simpson!...
Homer: AAh! No! I can't get in trouble if I can't see you!
Smithers: I'm afraid he's got us sir...


--

If only...

Tabernix

|

Nova sugestão que poderia perfeitamente responder à pergunta "onde desfrutar de uma refeição agradável, junto à zona ribeirinha do Porto, num fim-de-semana?"

Há dias (bastantes dias...), lembramo-nos de ir jantar a um daqueles restaurantes caros, quase com cozinha de autor, em que se pede um filet-mignon e o que vem realmente faz juz ao nome... Tendo o restaurante da nossa eleição mudado de direcção sem aviso prévio, não o vamos sequer identificar nem referir, mas ficava na rua do cais em Massarelos e mudou-se para Gaia, para um Club de Golf indeterminado.


Sendo os nossos planos foram tão abrupta e inesperadamente anulados, tivemos de, dans le jenou desenrascar uma solução para um jantar que já começava a apresentar tardio. Como bons portugueses, e aparentados com o MacGyver que se desenrascava sempre, lembramo-nos que ali perto havia um outro restaurante mais ou menos conhecido. Era procurar uma terceira opção ou ficarmo-nos pelo "Tabernix", o plano b (aqui não o bar...), a solução de desenrasque. Decidimo-nos pelo Tabernix. Ficava ali ao pé, tinha boas críticas de conhecidos... Porque não?


À entrada surgiu-nos à mente pela primeira vez a pergunta “Tabernix por quê”? As letras do nome do restaurante estavam numa fonte bastante semelhante à usada por Goscinny e Uderzo. Segundo a lógica, seria uma referência velada a um ambiente "gaulês", um sítio que nos lembrasse a atmosfera das bandas desenhadas de Astérix, Obélix e toda a aldeia dos incorruptíveis gauleses... Aparentemente, a lógica estava de folga nesse dia, por isso, de vagamente gaulês a única coisa que o estabelecimento tinha era mesmo o nome. Sentamo-nos a uma mesa vaga e esperamos que nos dessem o menu, que por acaso estava repetido a giz nas paredes do estabelecimento. "Original" pensamos, “assim poupa-se papel. Não é coisa que se veja todos os dias”. Escolha de uma mesa alumiada por velas num restaurante à meia luz… Com sorte talvez o “plano b” não tivesse sido muito mau.


A espera não foi longa, mas pareceu uma eternidade graças à maravilhosa banda sonora com que fomos brindados. Alguém deve ter criado um cd entitulado “best of pimba” e decidiu passar até à insanidade a chamada música popular portuguesa misturada com alguma brasileira. Ideia de um “plano b” razoável? Posta de lado. Encontramos com isto finalmente um ponto comum com a aldeia gaulesa de Astérix: a música do bardo rivaliza em qualidade com a que passa naquele restaurante. Umas entradas compostas pelos apanagiais e comuns pães e manteiga a acompanhar e a pergunta sobre o que iríamos querer para jantar.


Dúvidas tiradas acerca das sugestões apresentadas nas paredes, pedimos uma francesinha especial e um bife com cogumelos, “com cogumelos” porque apesar de vir com molho E cogumelos, nem o prato nem o local tinham a classe que exige a expressão francesa “aux champignon”. Enquanto depenicávamos o pão com manteiga na espera, íamos reparando na faixa etária predominantemente adolescente que pululava o sítio. Aparentemente e segundo nos foi dado a entender, a sangria do Tabernix é deveras popular e chama muita gente jovem. Talvez por isso tenhamos pedido uma cerveja preta para acompanhar a francesinha (que de especial tinha apenas um banal ovo sob o molho) e um ice tea de manga para o dito bife com cogumelos.

Já referimos o quanto nos desagrada batata frita da congelada num restaurante, não já? Mais um ponto negativo. Salvo isso, nada de extraordinário na cozinha. Pratos do mais banal que se confeccionam com o requinte que temos em casa. Se calhar o ambiente familiar é um trunfo para um determinado público-alvo no qual não nos encaixamos de todo. Sobremesa? Com certeza. Se a luta entre a gula e o gosto musical fosse ganha pela primeira. Como tal não aconteceu, acabamos a refeição, pedimos a conta e saímos o mais subtil e rapidamente possível.


Em jeito de conclusão, a única coisa vagamente positiva do Tabernix enquanto estabelecimento de restauração é realmente a simpatia dos empregados. Tal não chega, porém, para cobrir tudo o que nos desagradou naquilo que, mais que um restaurante, aparentava de facto parecer uma taberna. Quanto à pergunta acerca de onde desfrutar de uma refeição agradável, junto à zona ribeirinha do Porto, num fim-de-semana? Bom, a resposta talvez se encontre num posterior post, porque desta vez apenas pudemos constatar que o Tabernix não corresponde de todo à nossa expectativas e gosto. Enche-nos a barriga, com sorte, mas não as medidas.

Pausa

|
Após esta "breve" pausa, retomaremos a crítica e sugestões de locais visitados. Os próximos na lista são mais dois restaurantes, desta vez no Porto, o Tabernix e o Shakesbeer.
Espererem para saber mais!

-

Entretanto, também aceitamos sugestões diversas! :)

Just breathe

|
Correndo o risco de parecer repetitivo, aqui está mais um sobre o novo álbum de Pearl Jam. Peço perdão, mas este tinha mesmo de vir para aqui...



Yes, I understand that every life must end, uh-huh
As we sit alone, I know someday we must go, uh-huh
Oh I'm a lucky man, to count on both hands the ones I love
Some folks just have one, yeah, others, they've got none

Stay with me...
Let's just breathe...

Practiced all my sins, never gonna let me win, uh-huh
Under everything, just another human being, uh-huh
I don't wanna hurt, there's so much in this world to make me believe

Stay with me
You're all I see...

Did I say that I need you?
Did I say that I want you?
Oh, if I didn't I'm a fool you see
No one knows this more than me

As I come clean...
I wonder everyday, as I look upon your face, uh-huh
Everything you gave
And nothing you would save, oh no

Nothing you would take
Everything you gave...

Did I say that I need you?
Oh, did I say that I want you?
Oh, if I didn't I'm a fool you see
No one knows this more than me
And I come clean, ah...

Nothing you would take
Everything you gave
Hold me til I die
Meet you on the other side...


At a loss for words... Lindo lindo...

Backspacer

|
Eu podia voltar a fazer o mesmo post palavra por palavra, mas como a preguiça é muito fica aqui o link!

Stupid questions

|
Encontrei esta imagem num fórum quando andava no Google à procura de uma informação que precisava para o trabalho que estou a fazer. Quando virem a imagem, a ironia não vos vai escapar. A mim não escapou! :) Merecia ficar aqui para a posteridade.




Até para comer bolachas...

|
...parece haver instruções. As Oreo (representadas na imagem ao lado) são um exemplo desse tipo de bolachas. A imagem, além de mostrar o aspecto de uma Oreo, mostra também como uma pessoa normal as come. Sim senhoras e senhores, é à dentada pura e simples. Quer dizer:

1 - Separa-a
2 - Lambe o creme
3 - Mergulha no leite
4 - Come-a

Quem é que se dá ao trabalho de fazer isso? Às dentadas não chega para ser uma boa bolacha é? E se não tiveres leite? Mergulhas em chá é? Tem de haver um ritual? Pois eu renuncio ao ritual e como as minhas Oreo à dentada como na foto! Como é que vocês comem as vossas?


Dieci [10']

|
Uma nova sugestão ainda por Barcelos: o restaurante italiano Dieci (ou, se preferirem, 10' - dez). Definitivamente um local de menção obrigatória, onde se come bem, bastante e por pouco dinheiro.
Situado na Avenida Alcaides de Faria, uma das principais artérias da cidade, o restaurante serve à sala e para fora. Também tem um outro estabelecimento em Braga e vai abrir um novo espaço na Póvoa do Varzim. (Para quando um no Porto?)

De decoração bastante simples, em tons pretos, e de espaço bastante cómodo, onde caberiam sensivelmente 25 pessoas confortavelmente, não tem problemas com cheiros misturados e barulhos incomodativos. O atendimento foi dos melhores que tivemos até então.

Logo de início, enquanto escolhíamos, foi-nos oferecido vinho lambrusco, um italiano branco óptimo para acompanhar pastas e molhos de tomate e ervas, entre outras especialidades do género. Um mimo bastante apreciado, mesmo por quem não bebe vinho (declaro-me culpada...).

As escolhas da noite, notando que apenas tínhamos feito uma refeição leve como almoço tardio e que já passavam das 21h, montaram uma ementa completa. A abrir, Pão de alho Supremo, seguido de uma Salada Chef, acabando com uma Pizza Tropicale. Talvez por inocência nossa, talvez por apenas desconhecermos o serviço da Dieci, embrenhamo-nos em tal refeição que se demonstrou um verdadeiro banquete.

Fomos servidos rapidamente, o que vem sempre a calhar quando já se vai jantar tarde e com um estômago queixoso.
O Pão de alho Supremo é uma delícia bastante melhor do que esperávamos: feito sobre uma base de pizza fina, com 30 cms de diâmetro, dobrada a meio, emanava um aroma a pão acabado de cozer com um ligeiro toque de alho, vindo do recheio de mozzarella e alho. Fatiado em oito partes, serviria para uma refeição leve, para petisco (ainda a acompanhar o belo Lambrusco...). Muito bom e equilibrado.

Pouco depois, já quase no final do "modesto panini", foi-nos servida a salada. Quem pensava que apenas seria um bom acompanhamento de qualquer prato, está enganado. A salada só por si era visualmente apelativa - é bom lembrar que os olhos também comem - e veio continuar a viagem pelos sentidos que o pão de alho havia começado. Uma travessa muito bem servida, concerteza a pensar naqueles que consomem a "insalata" como prato principal, com tomate, alface, cebola, fiambre, milho, couve roxa, pimento, azeitonas e queijo ralado. A vinagrete e o molho de cocktail vieram em duas taças a acompanhar, caso dispensássemos tempero.

Por fim, a Pizza Tropicale, tamanho médio, para duas pessoas. Tamanho médio, equivalente a 30 cms de diâmetro para dois estômagos já cheios... Lembro-me de ainda nos terem perguntado se não quereríamos tamanho familiar, mas, pelo menos aqui, fomos modestos na escolha para dois.
Massa fina e crocante, bem cozinhada, deixava um aroma pregnante, mas suave no ar. Ao cortar, ouvia-se a massa da borda a estalar, a cozedura no ponto a jogar novamente com os sentidos: a audição ao quebrar da massa e o tacto ao pegar na fatia - massa fina, bem cozinhada, mas tão suave... Mozzarella, tomate, cogumelos frescos e ananás, numa mistura entre o doce e o salgado, em pleno equilíbrio.
Ainda que já satisfeitos, disfrutámos desta iguaria, que, correndo o risco de parecer simples e comum, nos deixou ainda mais apaixonados pelo local.

Simpaticamente, a empregada, vendo que tal pizza seria demasiado para os nossos estômagos, perguntou-nos se não pretendíamos levar o resto em caixa, sugestão que aceitámos sem hesitações. Dada a satisfação, não pedimos sobremesa, infelizmente - um "infelizmente" guloso, confesso, porque é algo que viria concerteza melhorar ainda mais a refeição (se possível!) e porque havia várias iguarias que gostaríamos de ter experimentado.

Um jantar muito bem servido, com tudo incluído (ainda trouxemos para casa - neste caso, para o hotel!), num total de 18€ para duas pessoas. Fica a sugestão e até uma próxima viagem!

Shooting stars...

|
A semana passada foi o pico de uma chuva de meteoros de nome "Perseidas". É assim chamada pois a "chuva" aparenta vir da constelação de Perseus. Eu, infelizmente, não moro num local que me permitiu ver de um modo decente este belo espectáculo, mas encontrei um video onde pelo menos dá para imaginar o que terá sido estar por baixo de tal céu! Enjoy!

--

Click here to see stars!

(editei o post porque tentei pôr o vídeo directamente, mas não ficou bem por isso...)

Noites Ritual

|
No próximo dia 28 estou a planear ir ao "Noites Ritual". Para ir ouvir o quê? Pois os autores de várias lindas músicas de que a seguinte serve de exemplo!

--

Desculpem, doutos homens, estetas,
Espíritos poetas, almas delicadas,
A falsidade do meu génio e das minhas palavras.

Que é a erudição que eu canto,
Que é da vida, o espanto, que é do belo, a graça,
Mas eu só ambiciono a arte de plantar batatas.

Desculpem lá qualquer coisinha
Mas não está cá quem canta o fado.
Se era p'ra ouvir a Deolinda,
Entraram no sítio errado.
Nós estamos numa casa ali ao lado.
Andamos todos uma casa ao nosso lado.

Bem sei que há trolhas escritores,
Letrados estucadores e serventes poetas;
E poetas que são verdadeiros pedreiros das letras.
E canta em arte genuína, o pescador humilde,
A varina modesta;
E tanta vedeta devia dedicar-se à pesca.

Desculpem lá qualquer coisinha
Mas não está cá quem canta o fado.
Se era p'ra ouvir a Deolinda,
Entraram no sítio errado.
É que nós estamos numa casa ali ao lado.
Andamos todos uma casa ao nosso lado.

Por não fazer o que mais gosto
Eu canto com desgosto, o facto de aqui estar;
E algures sei que alguém mal disposto
Ocupa o meu lugar.

Ninguém está bem com o que tem...
E há sempre um que vem e que nos vai valer;
Porém quase sempre esse alguém não é quem deve ser.

Desculpem lá qualquer coisinha
Mas não está cá quem canta o fado.
Se era p'ra ouvir a Deolinda,
Entraram no sítio errado.
É que nós estamos numa casa ali ao lado.
Andamos todos uma casa ao nosso lado.

E é a mudar que vos proponho!
Não é um passo medonho em negras utopias;
É tão simples como mudar de posto na telefonia.
Proponho que troquem convosco e acertem com a vida!

- Canção ao Lado, Deolinda

Banabóia

|
A segunda crítica surge-nos com uma viagem de fim-de-semana a Barcelos. Sem conhecermos a cidade, andámos a ver a oferta em termos de jantar e de sítios agradáveis para uma refeição descansada.

No centro da cidade, encontramos o Banabóia, uma cervejaria de espaço amplo com uma oferta simpática. Não estando completamente cheio, esperava-se um serviço eficaz e eficiente, com um atendimento rápido. Pedimos sugestões para o jantar, de acordo com o que queríamos e para sabermos o que seria mais apetecível naquela altura. Foram-nos sugeridos o Bife à Banabóia, supostamente um bife alto e mal passado, e a Salada Russa com Filetes de Pescada (pedida sem maionese misturada).

Chegam as entradas: rissóis (de camarão, de carne, de bacalhau e misto), bolinhos de bacalhau,... boas iguarias, bem confeccionadas, na generalidade, sem fazerem grande alarido, contudo. Também nos foi servido um cesto bem recheado de pão de água e broa frescos e o habitual pratinho de queijo e manteiga.

Sentados ainda a aproveitar as entradas (que, pela fome que tínhamos, não duraram muito tempo...), reparávamos no tempo que demorava a servir os clientes que estariam no restaurante há mais tempo que nós. Confesso o desagrado que senti ao ver que havia clientes já a pedirem a segunda bebida enquanto esperavam pelo prato que tardava.
Esperamos cerca de meia hora ainda para sermos servidos.

A Salada Russa ficou muito aquém do que este prato tão simples na realidade seria. Os filetes, de fraca qualidade, eram de outro peixe parecido, de textura mais plástica e borrachuda, desagradável. Já a salada em si era composta de macedónia congelada, servida bastante fria, o que não permitia, sequer, que se encontrasse o sabor dos alimentos. Para além da fraca confecção, ainda nos privavam de dar uso ao nosso paladar. Uma desatenção: vinha com maionese misturada. Pontos a menos.

Com a Salada Russa veio o Bife à Banabóia. Uma tentativa clara para evitar o proverbial "à moda da casa" num prato que, manifestamente, não trazia nada de novo ou de especial entre tantos "Bifes com Ovo a Cavalo, molho de Champignon (leia-se cogumelos, dado que a natureza mediana da cozinha de cervejaria não almeja dotes de "aute cuisine française") e batata frita a acompanhar" que se oferecem por todo o país.

Tira-se uma lição valiosíssima desta experiência: não se pode fazer crítica gastronómica de barriga completamente vazia, uma vez que, seja qual for o prato submetido à consideração, a fome impedirá o apreciador de avaliar, com cuidado e atenção, as texturas e aromas que mereçam referência. Porém, em abono da verdade, deve dizer-se também que não havia realmente nada de novo no prato. Um bife tenro que se queria mal-passado com um molho de cogumelos que não perdia nada estando um pouco mais grosso. Entenda-se que não era uma mistela aquosa, no entanto, apontemos sempre ao melhor. As batatas, das congeladas, em pacote, prontas a fritar, não estavam nem muito salgadas nem insossas... apenas mais um facto a lamentar, não só neste restaurante mas também em muitos outros: a quantidade de batata frita congelada que se serve.
Talvez seja "possidonite" minha, mas agrada-me muito mais aperceber-me de uma batata descascada e cortada na hora, lavada com água e sal antes de saltar para a frigideira, do que essa moda "desenrascada" do uso de batatas congeladas, mal descongeladas, submetidas ao óleo e do óleo para o prato com um tom que oscila entre o branco e um amarelo desmaiado.

Ainda que de estômago completo - não diria que estávamos completamente satisfeitos com o serviço, mas também não exagerando por aí - seguimos para a sobremesa: mousse de chocolate para ambos. Caseira como se pedia, consistente, mas demasiado doce. Uma dose muito bem servida, no entanto. (Confesso que até ficámos com pena de pedir duas em vez de uma e simplesmente a dividirmos.)

Em suma, fomos a um restaurante matar a fome e verdade é que era possível sair empanturrado. O ambiente do restaurante seria mais próprio para uma festa de anos de adolescentes (como havia, numa mesa comprida, um pouco afastada) do que propriamente para um jantar romântico ou uma celebração de algo especial. Cumpriu a função de alimentar dois viajantes exaustos e pouco exigentes. Não cumpriria se no lugar destes estivessem dois curiosos críticos exigindo ser satisfeitos.

Worse...

|
It's true...

The dancing strip of paper

|
Já se perguntaram o que aconteceria se virassem a vossa webcam para o próprio vídeo que está a filmar? Bem, estava eu a mexer na minha e eis que é mesmo isso que acontece. Agora imaginem que ali por perto está uma tira de papel que, sem mais nem menos, começa a dançar em frente à câmara!!

Gosto de ver filmes, não entendo nada de como fazer filmes, mas o efeito ficou giro portanto... Aqui está o resultado!

video

Realizado por: Yoseph
Produzido por: Yoseph
Cinematografia por: Yoseph
Tira de papel como: "A tira de papel"

Cheers

|
Podia ser apenas um título apelativo para mais um post deste blog, mas o Weedeias começa, para já, a incluir uma nova vertente relacionada com a divulgação de espaços visitados. Penso que já houve um ou outro texto nesse estilo, mas é aqui que oficialmente dou início a essa rubrica. Fica, então, também o convite aos restantes membros do blog, para que enriqueçam este espaço com boas ideias e críticas.

-

Começo esta rubrica com um restaurante vimaranense, o Cheers. Tem um nome agradável, que me lembrou, inevitavelmente, da série "Cheers, aquele bar", como também deve ter acontecido a mais gente.
Entre os dois espaços disponíveis - o interior do restaurante e a esplanada na Praça de Santiago -, optámos pelo exterior, já que o tempo estava relativamente ameno e o ar fresco era convidativo. O interior do restaurante também era bastante agradável: em pedra, combinava tons de bordeaux e amarelo nas mesas.

Fomos rapidamente atendidos. Logo no início, duas taças de champanhe, uma para cada. Apesar de ter dispensado (lamento, mas não cai nas minhas preferências), soube que foi um mimo bem aplicado a quem frequentou o espaço.
Enquanto esperávamos pelo prato principal, as entradas: pão de água, azeite perfumado com ervas aromáticas e azeitonas pretas com orégãos. Algo simples, mas apreciado.
A refeição em si não tardou. Arroz de pato e Posta à Mirandesa, ambos pratos da nossa predilecção. Agradável aos olhos e de aroma apetecível, permitiu-nos disfrutar de uma boa refeição, de sabores completos, num ambiente menos informal e antigo.

Cada prato confeccionado com esmero. A suculenta Posta à Mirandesa, apresentada com acompanhamento de uma pequena vasilha com grelos e pequenas batatas noisette regadas com um fino fio de azeite.
Aparentemente bem passada, deixava escapar umas gotas de sangue apesar do tom rosado interior e não manifestamente rubro sob a lâmina. A ajudar à delícia visual, num prato equilibrado de tons terra, o polvilhado de oregãos emprestava à carne o cheiro quente da erva aromática sem cair em excesso, respeitando o sabor e a independência da Posta.
Talvez pela falta de prática do suposto crítico, cometeu-se o erro de acompanhar tal prato com uma cerveja preta. O ideal seria uma cerveja menos encorpada, como a Abadia da Super Bock ou a Bohemia da Sagres, ou, numa atitude mais ortodoxa, um vinho tinto, maduro, talvez alentejano para se contrapor ao prato trasmontano.
Satisfez, ainda assim, o gosto ainda despretensioso mas firme do conviva que irresolutamente escolheu tal prato para a noite.

O Arroz de Pato, prato típico da zona de Braga, foi servido numa taça quadrangular, permitindo um jogo visual interessante. De confecção leve, a carne bem cozinhada, mas tenra, dava ao arroz o sabor. Sentia -se o aroma agradável desta iguaria. Para além do pato, também se encontravam pequenos pedacinhos de toucinho e rodelas de chouriço, e, por cima, o queijo gratinado conferia uma textura extra ao prato.
Sendo a carne de pato normalmente seca e de cariz difícil, este prato normalmente pede algumas gorduras que a amaciem. Sem cair em quaisquer exageros, o toucinho emprestou a gordura necessária. O arroz, no ponto, com as carnes foram o conjunto perfeito de aroma e sabor que se pretendia. Um prato que deixa o cliente deliciado e que merece referência.

Ainda que satisfeitos, prosseguimos para as sobremesas.
O semi-frio de morango foi uma pequena ousadia que realmente compensou. Torna-se difícil degustar qualquer prato quando já nos encontramos satisfeitos. No entanto, o sabor suave e fresco daquela sobremesa revelou-se balsâmico para um estômago que se suporia pesado. De facto, nem a base de bolacha, possivelmente amanteigada, nem o recheio se afirmaram como um desafio à digestão.
A mousse de chocolate de confecção caseira deliciava a visão e o paladar. De cor homogénea, textura rica e leve e de aroma rico a chocolate, esta sobremesa era o culminar de um manjar em tudo agradável. Bastante fofa, a mousse trazia o sabor completo do seu componente principal, não deixando restos de açúcar ou de manteiga interferirem na degustação. Mais uma prova superada.

Dos poucos "senãos", surge a pequena confusão dos empregados, sem mãos a medir no serviço às várias mesas repletas com a agravante da reunião de britânicos na urbe nesse fim-de-semana motivado pelo encontro futebolístico. Ainda assim, não há o que apontar em relação à simpatia dos empregados, que se demonstraram bastante atenciosos.

O total da refeição rondou os 30€.

-

He hatessss Usssss

|
Quote from one of my favorite mini series "Band of Brothers":

Sgt. Denver 'Bull' Randleman:
I'm gonna say something.
George Luz: To who?
Sgt. Denver 'Bull' Randleman: Lieutenant Winters!
Richard Winters: What is it?
Sgt. Denver 'Bull' Randleman: Permission to speak, sir.
Richard Winters: Granted.
Sgt. Denver 'Bull' Randleman: Sir, we got nine companies, sir.
Richard Winters: We do.
Sgt. Denver 'Bull' Randleman: Well, how come we're the only one marching every Friday night, twelve miles, full pack, in the pitch dark?
Richard Winters: Why do you think, Private Randleman?
Sgt. Denver 'Bull' Randleman: Lieutenant Sobel hates us, sir.
Richard Winters: Lieutenant Sobel does not hate Easy Company, Private Randleman. He just hates you.
Sgt. Denver 'Bull' Randleman: Thank you, sir.

I sometimes feel like 'Bull'... Good answer though...

Hello, how are you doing today

|
Bem, partilhei contigo Wee e agora partilho com quem mais ler o blog!! A letra que pús não corresponde exactamente à versão ao vivo do video, mas pronto. Como o homem é mestre há que improvisar!



Hello how are you doing today
I hope I find you feeling healthy
I'm so glad our paths crossed this time today
On our way into the night

We find love it's hiding here
In the darkness in the shadows
Maybe it's up to you and I
To bring it to the light
Love when I approach the tears
They fall like rain
You tell me baby your hearts into a thousand pieces

Now stop only old and wise with clouded eyes
You can't see what I can, when I
Blindly throw my faith to the face
Of the next good thing to comes my way

So here we are all of us stand around
We're leaning heavy on each other
Always wondering what is it that lies behind
The worried eyes of one another

Well I believe it's love that's hiding here
deep inside both you and me.
Maybe it's up to you and me to share it with the light
Love when I approach the tears they fall like rain
You tell me baby your heart's into a thousand pieces

And I stop only old and wise with clouded eyes
You can't see what I can, cause' I
Blindly throw my faith to the face
Of the next good thing that comes my way

I say it's love that's lacking here
Although I know enough to spare
Maybe you and I could spread it large and wide
Love with my approach the tears they fall like rain
You tell me baby your heart's into a thousand pieces

A lot a look a liker

|
Hoje no comboio ia um homem extremamente parecido com o Eddie dos Pearl Jam. Mas assim parecido mesmo. De tal maneira que te faz pensar: "Nah... Não pode ser! That'd be crazy..." Eu ainda estive para lhe pedir um autografo porque afinal, se um autografo da pessoa original vale 100%, o de uma pessoa extremamente parecida pode não ser 100% mas aí uns 50% pelo menos vale.

Escusado será dizer que acabou por ficar sem efeito porque: Nah... That'd be crazy! :D

The sin of everlasting love.

|

Winds and storms below
my feet as I was walking by,
among white clouds of certainty,
Ivory on my skin shining.

It didn't have an end,
but a moment of solitude;
My hair, my skin, my being
all one in the nude
exposed, before the part.

The sunny day, he wrote
about happiness and sharing;
Our lips rewriting wishes like love
as we were like a quiet night;
but we couldn't tell everything.
But no..., not everything dies.

Despite the trembling hands,
she freed her hair of all the pins,
revealed her majesty before the sun;
he, admiring her silently, recording every moment;
he, naked and invisible, there
embracing her sweetness without moving.
Calling his sins, the biggest, before the sun:
the sin of the everlasting love.

-

Enjoy the silence

|
Words like violence
Break the silence
Come crashing in
Into my little world
Painful to me
Pierce right through me
Can't you understand
Oh my little girl

All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very unnecessary
They can only do harm

Vows are spoken
To be broken
Feelings are intense
Words are trivial
Pleasures remain
So does the pain
Word are meaningless
And forgettable

All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very unnecessary
They can only do harm

Enjoy the silence


Depeche Mode

-

Tweetmeme

|
Sim, nós (já) temos um Tweetmeme, um botão que nos permite partilhar o conteúdo do blog no Twitter.
|
Pois é... o Zé vai de férias, com direito a "escapadinha" no Optimus Alive!09, por isso aqui fica mais um cheirinho do que se fala. A Blitz recolheu os pedidos dos artistas que por lá vão passar e há alguns relativamente curiosos.

Optimus Alive!09: conheça as exigências dos artistas

Metallica maluquinhos por fruta, Ting Tings com preocupações ecológicas, Placebo pouco exigentes. Saiba aqui os segredos de bastidores do evento que começa esta quinta-feira em Algés.

A organização do Optimus Alive!09 revelou há momentos alguns números oficiais para os três dias do evento e algumas das exigências de bandas como os Metallica, Ting Tings, Dave Matthews, Placebo ou Kooks.

Enquanto que os Placebo só terão pedido incenso, os Metallica foram um pouco mais exigentes - o maior vício da banda parece mesmo ser a fruta: pediram maçãs verdes e vermelhas, peras, laranjas, bananas, mangas, papaias, abacates, pêssegos, limas e limões, morangos, framboesas e mirtilos, além de pedirem para passar uns dias de férias em Portugal.

Os Klaxons pediram cerveja nacional enquanto que os Prodigy subiram a parada para 12 garrafas de champagne para festejar no final do concerto. Os Kooks querem 4 pares de meias pretas, os Silversun Pickups comida orgânica e os Los Campesinos! querem conhecer a gastronomia local, levar postais e selos portugueses e uma colectânea com músicas de artistas nacionais.

A Dave Matthews Band e os Ting Tings são os mais ambientalistas: enquanto que os primeiros querem caixotes do lixo para reciclagem (e uma televisão), os segundos recusam-se a usar utensílios de plástico que possam ser prejudiciais para o ambiente (sushi é a comida de eleição do duo britânico).

O evento, que tem início esta quinta-feira (dia 9) e termina no sábado (dia 11), conta com actuações de 60 bandas , que se vão dividir por 40 camarins . Ao todo serão servidas 2230 refeições e serão disponibilizadas 2348 toalhas e 6 mil garrafas de água.
Artigo online: Blitz

Após leitura, acho que os mais... corajosos, vá, chamemos-lhes assim, são mesmo os Los Campesinos!. Música portuguesa... ainda lhes sai algo mais... popular (para não dizer Pimba)!

The final frontier

|
Eu sempre gostei do espaço e de coisas com ele relacionado... Afinal, "O caminho das estrelas" pode ser ficção, mas numa coisa eles acertaram: O espaço é de facto a última fronteira. Falando de espaço, normalmente volto-me mais para a Lua porque além de ser o que de mais próximo temos, é onde, vendo bem as coisas, eu tenho mais hipóteses de um dia ir! :D A guy can dream I guess... :P
No entanto, tanta coisa para ir à Lua e quando se chega lá o que provavelmente mais saltará à vista é a visão do nosso planetazito! Um "nascer da terra", "pôr da terra", um "eclipse terrestre". Tudo isto demonstrado pelas imagens que se seguem e pelas palavras do astronauta Bill Anders da Apollo 8.


"Because we were being trained to go to the moon… We were trained to get there. So, getting there was the big event.… It wasn't 'going to the moon and looking back at the Earth.' I never even thought about that! In lunar orbit, it occurred to me that, here we are, all the way up there at the moon, and we're studying this thing, and it's really the Earth as seen from the moon that's the most interesting aspect of this flight."

Dancing Nancies

|
Com o Oeiras Alive09! a aproximar-se, continuo com a minha maratona de divulgação do que lá vou ver. Aqui fica o mestre com mais uma amostra do que poderá ser dia 11!


Frases boas de alunos maus

|
AS MELHORES FRASES ESCRITAS EM EXAMES NACIONAIS E TESTES POR ALUNOS PORTUGUESES:


- O metro é a décima milionésima parte de um quarto do meridiano terrestre e para o cálculo dar certo arredondaram a Terra!

- O cérebro humano tem dois lados, um para vigiar o outro.

- O cérebro tem uma capacidade tão grande que hoje em dia, praticamente, toda a gente tem um.

- Quando o olho vê, não sabe o que está a ver, então ele amanda uma foto eléctrica para o cérebro que lhe explica o que está a ver.

- O nosso sangue divide-se em glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e até verdes!

- Nas olimpíadas a competição é tanta que só cinco atletas chegam entre os dez primeiros.

- O piloto que atravessa a barreira do som nem percebe, porque não ouve mais nada.

- O teste do carbono 14 permite-nos saber se antigamente alguém morreu.

- Antes mesmo da guerra a Mercedes já fabricava Volkswagen.

- Pedofilia é o nome que se dá ao estudo dos pêlos.

- O pai de D. Pedro II era D. Pedro I, e de D. Pedro I era D. Pedro 0.

- Nos aviões, os passageiros da primeira classe sofrem menos acidentes que os da classe económica.

- O índice de fecundidade deve ser igual a 2 para garantir a reprodução das espécies, pois precisa-se de um macho e uma fêmea para

fazer o bebé. Podem até fazer 3 ou 4, mas chegam 2.

- A homossexualidade, ao contrário do que todos imaginam, não é uma doença, mas ninguém quer tê-la.

- Em 2020 a caixa de previdência já não tem dinheiro para pagar aos reformados, graças à quantidade de velhos que não querem morrer.

- O verme conhecido como solitária é um molusco que mora no interior, mas que está muito sozinho.

- Na segunda guerra mundial, toda a Europa foi vítima da barbie nazi.

- Cada vez mais as pessoas querem conhecer a sua família através da árvore ginecológica.

- O hipopótamo comanda o sistema digestivo e o hipotálamo é um bicho muito perigoso.

- A Terra vira-se nela mesma, e esse difícil movimento chama-se arrotação.

- Lenini e Stalone eram grandes figuras do comunismo na Rússia.

- Uma tonelada pesa pelo menos 100Kg de chumbo.

- Quando os egípcios viam a morte a chegar, disfarçavam-se de múmia.

- Uma linha recta deixa de ser recta quando encontra uma curva.

- O aço é um metal muito mais resistente do que a madeira.

- O porco é assim chamado porque é nojento.

- A fundação do Titanic serve para mostrar a agressividade dos ice-bergs.

- Para fazer uma divisão basta multiplicar subtraindo.

- A água tem uma cor inodora.

- O telescópio é um tubo que nos permite ver televisão de muito longe.

- O Marechal António Spínola é conhecido principalmente por estar no dicionário.

- A idade da pedra começa com a invenção do Bronze.

- O sul foi posto debaixo do norte por ser mais cómodo.

- A luta greco-romana causou a guerra entre esses dois países.

- Os escravos dos romanos eram fabricados em África, mas não eram de boa qualidade.

- O tabaco é uma planta carnívora que se alimenta de pulmões.

- Na Idade Média os tractores eram puxados por bois, pois não tinham gasolina.

- A baleia é um peixe mamífero encontrado em abundância nos nossos rios.

- Princípio de Arquimedes: qualquer corpo mergulhado na água, sai molhado.

- Newton foi um grande ginecologista e obstetra europeu que regulamentou a lei da gravidez e estudou os ciclos de Ogino-Knaus.

- A trompa de Eustáquio é um instrumento musical de sopro, inventado pelo grande músico belga Eustáquio, de Bruxelas.

- Parasitismo é o facto de um gajo não trabalhar e viver à 'pala' dos outros, de dinheiro, cigarros e outros bens materiais.

- Ecologia é o estudo dos ecos, isto é, da ida e vinda dos sons.

- As constelações servem para clareficar a noite.

- Ao princípio os índios eram muito atrasados mas com o tempo foram-se sifilizando.

- O Convento dos Capuchos foi construído no céculo 16 mas só no céculo 17 foi levado definitivamente para o alto do monte.

- A História divide-se em 4: Antiga, Média, Momentânea e Futura, a mais estudada hoje.

- A Bigamia era uma espécie de carroça dos gladiadores, puchada por dois cavalos.

- As aves têm na boca um dente chamado bico.

- A Terra é um dos planetas mais conhecidos e habitados do mundo.