Resultados de pesquisa

|

Babylon

|
Estão a pensar em viajar? Se o destino for Londres, ficam aqui algumas recomendações no Weedeias.
Estive lá há pouco tempo e aproveitei para dar uma espreitadela a alguns sítios, com nota da TimeOut London, onde pudesse disfrutar de uma refeição agradável e sem ser totalmente roubada. Fazer refeições no estrangeiro é das poucas coisas que me custa ao viajar para fora: é facto que em Portugal se come bem e que até nem fica muito caro fazer as maiores refeições do dia. Em assim sendo, quando estou fora sinto sempre a falta dessa boa comida.

Antes de ir, vi a TimeOut London, que sigo assiduamente apesar de não estar na capital britânica.
Uma das sugestões que experimentei foi o Babylon, em Kensington, visto ser perto da zona onde estava alojada (Hyde Park). O restaurante fica num edifício particular, o The Roof Gardens, propriedade da Virgin. Mas não deixem que isso vos intimide: o preço é bastante acessível para o serviço prestado e o espaço é lindíssimo!

Tive a pontaria de ir lá jantar numa quinta-feira, que é noite de Jazz ao vivo. Muito, muito agradável! Chegou a cruzar-me o pensamento de que iria ser demasiado "som" num só espaço, mas foi absolutamente fantástico - as músicas certas, no tom perfeito. Isso juntado à paisagem - o restaurante fica no 7º andar do The Roof Gardens - fez logo com que não me arrependesse de lá ter ido! A parte exterior estava fechada porque estava a nevar, mas indicaram-me que, no Verão e quando o tempo está agradável, fazem lá churrascos e festas com espectáculos musicais incluídos.

Passando à refeição...
Estavam -7ºC, por isso decidi começar por um creme de legumes para aquecer (e para fugir da loucura dos almoços hipercalóricos na Pizza Hut). Para refeição, apostei num grelhado de vaca com esparregado e molho agri-doce, que estava bastante bom. Veio ainda acompanhado com puré condimentado com noz-moscada e cenoura, uma boa ideia para eu experimentar em casa.
A acompanhar, um sumo natural de manga (apesar do menu incluir vinho, eu passei o álcool e pedi para trocar, o que fizeram sem qualquer alarido) e para finalizar, a sobremesa: triffle.
O menu completo incluía dois pratos em vez de sobremesa, mas não houve qualquer problema em fazer a troca.

Por 19£, consegui um jantar bem confeccionado num lugar acolhedor e com uma vista fantástica. Não me recordo de quanto tempo passei lá dentro, mas considero tempo bem gasto. Lógico que não fica tão em conta como ir jantar fora no Londres, mas foi um bom mimo.
No final

Pelo que reparei das reviews online antes de ir (via TimeOut e Google), o serviço nem sempre é dos melhores, mas o facto é que não tenho queixas.

Al Porto

|
O Al Porto é um dos meus restaurantes italianos preferidos, daí que possa soar suspeita na opinião. Já serviu de palco a encontros de amigos, jantares de aniversários, jantares românticos e momentos de degustação bem conseguidos.
É a minha opção preferida para jantar na zona da Boavista (Porto), sendo que tenho especial apreço pela lasagna e pizzas da casa.
Recomenda-se um bom vinho a acompanhar o jantar e ainda, se possível, que nos deixemos tentar pelo tiramisú, que nunca me desapontou.

O ambiente é calmo e acolhedor. Não há barulho a mais nem fumo que me afaste: dois factores que tenho sempre em conta quando saio para uma refeição. A simpatia e o bom serviço também são uma constante do Al Porto.

O preço é o usual nos restaurantes desta gama, não sendo desculpa para perdermos a oportunidade de o visitarmos.

Pimenta Rosa

|
Situado no Centro Comercial Bombarda, ou simplesmente CCBombarda, no Porto, o Pimenta Rosa é, por excelência, um espaço de restauração simples e simultaneamente ousada.
O conceito do CCBombarda reflecte, à partida, um universo pouco "mainstream", definindo-se como sendo "um centro comercial, mas não um «shopping»".

No Pimenta Rosa encontramos de tudo um pouco quer para refeições mais completas, quer para algo mais leve. Ao pequeno-almoço, há o menu que inclui uma bebida quente, um sumo de laranja, um scone (com manteiga e /ou geleia para acompanhar), um queque pequeno e salada de fruta, por apenas 1,70 €.
Se preferirem outro género de guloseimas, há ainda bolo à fatia, por 1€ cada pedacinho de pecado: para além de muito bem confeccionados, são generosamente servidos em fatias que vale a pena partilhar com alguém. A variedade costuma incluir o já conhecido bolo de chocolate, bolo de cenoura, bolo de iogurte, bolo de ananás, entre outros.
Para quem preferir salgados, encontram-se empadas e quiches de variedade.

Vale ainda a pena provar os pratos de almoço, servidos diariamente, para deleite de quem lá passa para disfrutar de uma refeição bem confeccionada e a preços acessíveis.

Fica ainda a dica: para quem gostar destas delícias doces e salgadas e as quiser encomendar, pode fazê-lo ao balcão. No Natal, há ainda rabanadas e doces tradicionais.

1985

|

n 1985, the world was a different place.

There was no Google yet. Or Yahoo.

In 1985, the year of your birth, the top selling movie was Back to the Future. People buying the popcorn in the cinema lobby had glazing eyes when looking at the poster.

Remember, that was before there were DVDs. People were indeed watching movies in the cinema, and not downloading them online. Imagine the packed seats, the laughter, the excitement, the novelty. And mostly all of that without 3D computer effects.

Do you know who won the Oscars that year? The academy award for the best movie went to Out of Africa. The Oscar for best foreign movie that year went to The Official Story. The top actor was William Hurt for his role as Luis Molina in Kiss of the Spider Woman. The top actress was Geraldine Page for her role as Carrie Watts in The Trip to Bountiful. The best director? Sydney Pollack for Out of Africa.

In the year 1985, the time when you arrived on this planet, books were still popularly read on paper, not on digital devices. Trees were felled to get the word out. The number one US bestseller of the time wasThe Mammoth Hunters by Jean M. Auel. Oh, that's many years ago. Have you read that book? Have you heard of it? Look at the cover!

In 1985... Tancredo Neves is elected president of Brazil by the Congress, ending the 21-year military rule. In Hollywood, California, the charity single "We Are the World" is recorded by USA for Africa. The American act includes Michael Jackson, Lionel Ritchie, Tina Turner, Cyndi Lauper and Diana Ross. Nelson Mandela rejects an offer of freedom from the South African government. Minolta releases world's first autofocus single-lens reflex camera. Mikhail Gorbachev becomes General Secretary of the Soviet Communist Party and de facto leader of the Soviet Union. Norwich City wins the English League Cup at Wembley Stadium, beating Sunderland 1-0 in the final. WrestleMania debuts at Madison Square Garden. In Auburn, Washington, police defuse a Unabomber bomb sent to Boeing. The Walt Disney World Resort Monorail Gold catches fire on the EPCOT beam around 9:00 p.m., due to friction from a flat tire. U.S. Route 66 is officially decommissioned. The Greenpeace vessel Rainbow Warrior is bombed and sunk in Auckland harbour by French DGSE agents. Commodore launches the Amiga personal computer at the Lincoln Center in New York. The Free Software Foundation is founded in Massachusetts, USA. A total solar eclipse occurs over Antarctica. U.S. President Ronald Reagan sells the rights to his autobiography to Random House for a record US$3 million. The Tommy Hilfiger brand is established. The computer game Tetris is released. DNA is first used in a criminal case. The video game of the day was Super Mario Bros.

That was the world you were born into. Since then, you and others have changed it.

The Nobel prize for Literature that year went to Claude Simon. The Nobel Peace prize went to International Physicians for the Prevention of Nuclear War. The Nobel prize for physics went to Klaus von Klitzing from West Germany for the discovery of the quantized Hall effect. The sensation this created was big. But it didn't stop the planets from spinning, on and on, year by year. Years in which you would grow bigger, older, smarter, and, if you were lucky, sometimes wiser. Years in which you also lost some things. Possessions got misplaced. Memories faded. Friends parted ways. The best friends, you tried to hold on. This is what counts in life, isn't it?

The 1980s were indeed a special decade. The Soviet-Afghan war goes on. Eastern Europe sees the collapse of communism. Policies like Perestroika and Glasnost in the Soviet Union lead to a wave of reforms. Protests are crushed down on Tiananmen Square in China. Ethiopa witnesses widespread famine. Nicolae Ceausescu is overthrown. The AIDS pandemic begins. The role of women in the workplace increased greatly. MTV is launched in the US. There is opposition against Apartheid in South Africa as well as worldwide. Heavy Metal and Hard Rock bands are extremely popular. The rise of Techno music begins. Originally primarily played on campus radio stations, College Rock enters the scene with bands like the Pixies, REM and Sonic Youth. The Hip Hop scene continues to evolve. Teletext is introduced. Gay rights become more widely accepted in the world. Opposition to nuclear power plants grows. The A-Team and Seinfeld are popular on TV. US basketball player Michael Jordan bursts on the scene. Super Mario Bros, Zelda's Link, and Pac-Man gain fame in video games. People wear leggings, shoulder pads and Ray-Ban sunglasses.

Do you know what was on the cover of Life that year?

Do you remember the movie that was all the rage when you were 15?What Women Want. Do you still remember the songs playing on the radio when you were 15? Maybe it was What a Girl Wants by Christina Aguilera. Were you in love? Who were you in love with, do you remember?

In 1985, 15 years earlier, a long time ago, the year when you were born, the song Everybody Wants to Rule the World by Tears for Fears topped the US charts. Do you know the lyrics? Do you know the tune? Sing along.

Welcome to your life
There's no turning back
Even while WE sleep
We will find you
Acting on your best behaviour
Turn your back on mother nature
Everybody wants to rule the world
...

There's a kid outside, shouting, playing. It doesn't care about time. It doesn't know about time. It shouts and it plays and thinks time is forever. You were once that kid.

When you were 9, the movie The Santa Clause was playing. When you were 8, there was Dennis the Menace. When you were 7, there was a Disney movie out called Aladdin. Does this ring a bell?

6, 5, 4, 3, 2, 1... it's 1985. There's TV noise coming from the second floor. Someone turned up the volume way too high. The sun is burning from above. These were different times. The show playing on TV isThunderCats. The sun goes down. Someone switches channels. There's Larry King Live on now. That's the world you were born in.

Progress, year after year. Do you wonder where the world is heading towards? The technology available today would have blown your mind in 1985. Do you know what was invented in the year you were born? The Graphing Calculator. The Polymerase Chain Reaction. DNA Fingerprinting.

If heaven was a town, it would be my town
Oh on a summer day in 1985
And everything I wanted is out there waiting
And everyone I loved is still alive
...

That's from the song If Heaven by Andy Griggs.

In 1985, a new character entered the world of comic books: Strong Guy. Bang! Boom! But that's just fiction, right? In the real world, in 1985, Jack Osbourne was born. And Michelle Trachtenberg. Michael Phelps, too. And you, of course. Everyone an individual. Everyone special. Everyone taking a different path through life.
It's 2010.

The world is a different place.

What path have you taken?

xkcd.today

|

Working

|
Estas últimas semanas têm sido de muito trabalho para todos e o Weedeias vai andando mais lentamente, mas isso até é bom sinal: haja trabalho. :)

Especialmente desde que estou a trabalhar na Salsa que a minha vida profissional tem andado mais agradável: faço algo de que gosto numa boa empresa e tenho bom ambiente de trabalho. Tudo incentiva a que seja ainda melhor no que faço, todos os dias.

Tendo em conta a altura do ano, dá para imaginar os temas natalícios que nos vão chegando. Há de tudo para fazer: newsletters, comunicações a clientes, promoções, passatempos no Facebook e no Twitter, banners, postais de Natal, etc... As sugestões são benvindas! :)

Por isso, os posts que aqui aparecerem e forem telegráficos devem-se, de facto, à falta de tempo!

Continuação de um bom fim-de-semana*

História do Pai Natal

|
Para quem acredita no Pai Natal, para quem não acredita no Pai Natal mas sem saber dizer porque não acredita, para quem ainda não conheçe os factos que se seguem e para quem já os conhecia mas que se esqueceu com o tempo, aqui vai:


Porque o Pai Natal não existe?
Os factos, o drama, o horror.... vamos ler.


Na Terra há cerca de dois mil milhões de crianças (entenda-se todo o indivíduo com menos de 18 anos). Contudo, como o Pai Natal não vai visitar as crianças muçulmanas, hindus, judias ou budistas (salvo, talvez, no Japão), o volume de trabalho para a noite de Natal fica eventualmente reduzido a 15 por cento do total, ou seja, a 378 milhões. Contando uma média de 3,5 crianças por casa, temos 108 milhões de casas. O Pai Natal dispõe de cerca de 31 horas de trabalho na noite de Natal, devido aos diferentes fusos horários e à rotação da Terra, admitindo a hipótese de que viaja de Leste para Oeste, o que, de resto, parece lógico. Tal equivale a 967,7 visitas por segundo, o que significa que para cada lar cristão com uma criança bem comportada pelo menos, o Pai Natal dispõe de cerca de um milésimo de segundo para estacionar o trenó, sair, descer pela chaminé, encher as meias com as prendas, distribuir o resto dos presentes junto ao pinheiro, provar as guloseimas que lhe deixam, voltar a subir a chaminé, saltar para o trenó e dirigir-se para a casa seguinte.

Supondo que essas 108 milhões de paragens se distribuem uniformemente à superfície da Terra (hipótese que sabemos falsa, mas que aceitamos como primeira aproximação), teremos que contar com cerca de 1,4 quilómetros por trajecto, o que significa uma viagem total de mais de 150 milhões de quilómetros, sem contar com os desvios para reabastecimento ou fazer chichi. O trenó do Pai Natal desloca-se pois à velocidade de 1170 quilómetros por segundo (3000 vezes a velocidade do som). A título de comparação, o veículo mais rápido fabricado pelo homem, a sonda Ulisses, não vai além dos 49 quilómetros por segundo e uma rena média consegue correr quando muito a 27 quilómetros por hora.

A carga útil do trenó constitui igualmente um elemento interessante. Supondo que cada criança apenas recebe o equivalente a uma caixa de Legos média (um quilo), o trenó suporta mais de 500 mil toneladas, sem contar com o peso do Pai Natal. Em Terra, uma rena convencional não consegue puxar mais de 150 quilogramas. Mesmo supondo que a famosa "rena voadora" tem um desempenho dez vezes superior, o Pai Natal não consegue cumprir a sua missão com 8 ou 9 animais; precisará de 360 000, o que vem aumentar a carga útil em mais 54 000 toneladas, abstraindo já do peso do trenó, o que equivale a 7 vezes o peso do Príncipe Alberto (o barco, não o monarca...). 600 000 toneladas a viajar a 1170 quilómetros por segundo produzem uma enorme resistência ao ar, a qual provoca um aquecimento das renas, tal qual um engenho espacial ao entrar na atmosfera terrestre. As duas renas da frente absorveriam uma energia de 14 300 milhões de joules por segundo, cada uma. Em resumo, entrariam quase instantaneamente em combustão, pondo perigosamente em risco as duas renas seguintes. O bando de renas vaporizar-se-ia completamente em 4,26 milési mos de segundos, isto é, o tempo exactamente necessário ao Pai Natal para chegar à quinta casa.

Tudo isto, porém, não é o pior. O Pai Natal, passando fulgurantemente da velocidade instantânea nula a 1170 quilómetros por segundo num milésimo de segundo, ficaria sujeito a uma aceleração correspondente a 17 500 quilogramas. Um Pai Natal de 125 quilogramas (que seria ridiculamente magro) ver-se-ia esmagado contra o fundo do trenó por uma força de 2157 507,5 quilogramas-força (a conversão para o SI fica como exercício para o leitor"), o que lhe reduziria instantaneamente os ossos e os órgãos a uma pequena massa pastosa.

Em suma: se o Pai Natal existe, já morreu!
|
All the series in one place: 127.0.0 .

CSI, Fringe, Bones, The Walking Dead, Caprica, ...

Chillout

|
Numa nova incursão por sítios (agradáveis) onde jantar, o destino foi o Chillout, no Edifício Transparente. Obviamente aqui entra o grande bónus de ser à beira-mar, destino predilecto para passar umas boas horas, especialmente em boa companhia, como não poderia deixar de ser o caso.
A escolha deveu-se a ter um voucher para gastar lá e a nunca lá ter ido. Numa quinta-feira à noite, lá fomos. Sendo dia da semana, tivemos sorte em apanhar um local despojado de barulhos; acredito que numa sexta-feira ou num sábado a situação fosse oposta.
A ementa já estava escolhida, pelo que nem passei pela minha habitual indecisão. (Nota: Para quem não me conhece, fica a saber que eu sou mesmo muito indecisa no que concerne a escolhas de refeições e de lugares. Mesmo muito!)

Para começar, uma caipirinha, que me soube bastante bem e foi acompanhando as entradas.
O prato que se seguiu não seria uma das minhas escolhas habituais num restaurante, mas confesso que está bastante bom e que perderia se não as tivesse provado: Costelinhas na brasa. Muito tenras, bem passadas, mas não em demasia e, de facto, tinham carne que se aproveitasse.
A acompanhar, tínhamos batatas fritas (aqui o senão era serem de pacote, mas estavam frescas), arroz (com ligeiro travo a manteiga) e salada (muito fresca e de bom tempero).
Satisfeita com a refeição, faltava ainda a sobremesa para acabar melhor: apesar de, normalmente, optar por algum tipo de doce quando saio para jantar, agrada-me mais que me sirvam fruta. Sem saber, tivemos melão "no ponto", delicioso.

Dispensado o café, fez-se o balanço: um jantar para duas pessoas que, através do voucher, ficou por 18 € (sem o mesmo, rondaria os 40 €), num local que convida a uma nova visita numa outra altura.

AstroQuiz

|
Já não contribuía aqui para o blog há bastante tempo por isso... Além de quebrar o "silêncio", testo também os conhecimentos das pessoas e talvez alguns acabem por aprender alguma coisa.

Eu errei em 4 destas perguntas. Quantas erraram vocês? As respostas estão no fundo... Não façam batota! :)

1 – Qual a estrela mais perto da Terra?
2 – Qual o planeta do sistema solar, onde os humanos já caminharam?
3 – Qual é o objecto no sistema solar que é a fonte de energia solar na Terra?
4 – Verdade ou Mentira: o Bruno pesa mais na Terra do que se estivesse na Lua?
5 – Verdade ou Mentira: consegue-se ver o planeta Saturno no céu, a olho nú?
6 – Qual o planeta que tem a Grande Mancha Vermelha?
7 – O “Grande Carro” ou “Grande Sertã” (Big Dipper) pertence a qual constelação?
8 – O planeta Terra pertence a qual Galáxia?
9 – Verdade ou Mentira: as chuvas de meteoros ocorrem quando a Terra passa pelo pó deixado pela passagem de um cometa?
10 – Qual planeta é normalmente o mais brilhante no céu nocturno?
11 – Qual é o 8º planeta do Sistema Solar, a contar do Sol?
12 – Verdade ou Mentira: o planeta Júpiter tem uma massa maior que a Terra?
13 – Qual o planeta que se costuma chamar de Planeta Vermelho?
14 – Qual o tipo de estrela mais quente: Amarela, Gigante Azul, ou Anã Vermelha?
15 – Qual o nome dado à Estrela Polar: Alfa Centauri, Polaris, ou Sirius?
16 – Verdade ou Mentira: a luz é a única coisa que consegue escapar de dentro dos Buracos Negros?
17 – Verdade ou Mentira: o Sol é a única estrela no nosso sistema solar?
18 – Verdade ou Mentira: a Terra está a mais de 50 milhões de milhas (80 milhões de kms) de distância do Sol?
19 – Em qual planeta uma pessoa pesa mais: Mercúrio, Saturno, ou Júpiter?
20 – Mais de 99% da massa no sistema solar está em qual objecto?
21 – Quanto tempo demora a Lua a orbitar a Terra?
22 – Sem contar Plutão, quantos planetas no sistema solar são menores que a Terra?
23 – Qual é a temperatura da “superfície” do Sol? 11000ºF , 1000000ºF , ou 35000000ºF ?
24 – Como se chama a parte mais externa da atmosfera solar? Corona, Cometa, ou Supernova?
25 – Qual a distância média da Terra à Lua? 240000 milhas, 550000 milhas, ou 1100000 milhas?
26 – O que quer dizer a sigla N.A.S.A.?
27 – Como se chamou o 1º satélite enviado para o espaço (em 1957)?
28 – Qual o nome da 1ª mulher americana a viajar no espaço?
29 – Qual o primeiro nome do astrónomo inglês que deu o nome ao Cometa Halley?
30 – Quantas luas tem o planeta Marte?
---

1 – Sol. 2 – Terra. 3 – Sol. 4 – Verdade. 5 – Verdade. 6 – Júpiter. 7 – Ursa Maior. 8 – Via Láctea. 9 – Verdade. 10 – Vénus. 11 – Neptuno. 12 – Verdade. 13 – Marte. 14 – Gigante Azul. 15 – Polaris. 16 – Mentira. 17 – Verdade. 18 – Verdade. A distância é 93 milhões de milhas (150 milhões de kms). 19 – Júpiter. 20 – Sol. 21 – 28 dias. Cerca de 1 mês. 22 – 3. Mercúrio, Vénus, Marte. 23 – 6000 °C ou 11000 °F 24 – Corona. 25 – 240000 milhas ou 380000 kms. 26 – National Aeronautics and Space Administration 27 – Sputnik. 28 – Sally Ride. 29 – Edmond. Edmundo. 30 – 2.

Move it, move it!

|

Porto e Vírgula

|
A noite era de festa, mas começou atrasada.

Em plena zona baixa do Porto, que agora fervilha qual zona nobre, lá estava o Porto e Vírgula, a espreitar o Jardim da Cordoaria, à espera dos 11 comensais.

Estava prometido um jantar animado com direito a tudo. E o Sr. José e a sua equipa não falharam.
As outras duas mesas que enchiam o segundo andar mostravam em tudo a alegria e a satisfação e nós só seguimos o tema.
As entradas variadas e tradicionais deram o toque: pataniscas quentinhas, salgadinhos acabados de preparar, pimentos padron salteados que levaram às lágrimas homens crescidos e os cogumelos bem temperadinhos, que ainda deixam água a crescer na boca.

O menu já estava decidido e, então, seguiram-se os pratos de suculento e reconfortante lombo recheado (aqui conto com a apreciação dos colegas wee presentes) e as travessas bem familiares de bacalhau com natas.
Deste, falo eu. Bem apaladado, sem exageros; muito bem servido. Tanto que deu para partilhar. Uma saladinha fresca a acompanhar. O prato perfeito para início de noite e fim-de-semana.

Junte-se a isto bebidas à discrição, um serviço pronto e célere, sendo que nunca era preciso esperar pela nova jarra de sangria ou pelo sumo. Mal se tinha tempo para esvaziar o copo, parecia que a equipa nos lia a mente.

O "banquete" foi finalizado com um belo bolo de chocolate (e olhem que eu nem sou fã...) fresco e foco, incluído no preço do menu, para facilitar a vida à aniversariante.

Sem dúvida, este restaurante e a sua opção de menu é algo a considerar para jantares de grupo. O preço, tudo incluído é de 15€, um bom preço tendo em conta tudo o que foi servido, a localização e o serviço, que me surpreendeu pela positiva.
Aconselho também que passem o olho por todos os outros pratos. Apresentam uma forte oferta para vegetarianos e constroem pratos que nos deixam simplesmente a salivar...

Essência e memória

|
Vou participar no livro "Essência e Memória - volume 3", da Chiado Editora. Mais informações aqui. :)

O método do tijolo

|
Método do tijolo para contratação de funcionários

O método consiste em:

1-Colocar todos os candidatos num armazém

2-Disponibilizar 200 tijolos para cada um.

3-Não dê orientação alguma sobre o que fazer.

4-Tranque-os lá.


Após seis horas, volte e verifique o que fizeram.
Segue a análise dos resultados:


1 - Os que contaram os tijolos, contrate-os como contabilistas.

2 - Os que contaram e em seguida recontaram os tijolos, são auditores.

3 - Os que espalharam os tijolos são engenheiros.

4 - Os que tiverem arrumado os tijolos de maneira muito estranha, difícil de entender, coloque-os no Planeamento, Projectos e Implantação Controlo de Produção.
5 - Os que estiverem a arremessar tijolos uns contra outros, coloque-os em Operações

6 - Os que estiverem a dormir, coloque-os na Segurança.

7 - Aqueles que picaram os tijolos em pedacinhos e estiverem a tentar montá-los novamente, devem ir directo para Tecnologia da Informação.

8 - Os que estiverem sentados sem fazer nada ou em conversa fiada, vão para Recursos Humanos.

9 - Os que disserem que fizeram de tudo para diminuir o stock mas a concorrência está desleal e será preciso pensar em maiores facilidades, são vendedores natos.


10 - Os que já tiverem saído, são administradores.


11 - Os que estiverem a olhar pela janela com o olhar perdido no infinito, são os responsáveis pelo Planeamento Estratégico.


12 - Os que estiverem a conversar entre si com as mãos no bolso demonstrando que nem sequer tocaram nos tijolos e jamais fariam isso, cumprimente- os com muito respeito e coloque-os na Direcção.


13 - Os que levantaram um muro e esconderam-se atrás, são do Departamento de Marketing.


14 - Os que afirmarem não estar a ver tijolo algum no armazém, são advogados, encaminhe-os ao Departamento Jurídico.


15 - Os que reclamarem que os tijolos "estão uma porcaria, sem identificação, sem padronização e com medidas erradas", coloque no Controlo de Qualidade.



Atenciosamente,


O Psicólogo Chefe

Para desenjoar...

|
Ora, voltei!
E para desenjoar de todos os almoços e jantares... e porque é meio-dia e eu tenho fominha; cá está um videozinho que vai fazer muita gente sorrir:



Agora é toda a gente a cantar desse lado!
Everybody together now!

Filha da Mãe Preta

|
E eis que a maldição ataca de novo... Não, a sério. Parece que, à razão de pelo menos uma vez por ano, quando pego na Wee e escolho um restaurante decente para lho apresentar, o dito ou se mudou ou está inusitadamente e sem mais fechado para férias. Não vou desta vez designar qual era o meu alvo preferencial uma vez que tenciono realmente voltar a adormecer a Wee e levá-la ao sítio a que me proponho.
(Nota de/para o próprio: assumir em público intenções de rapto anula qualquer álibi que possa vir a apresentar mais tarde.)

De volta ao tema. Não identifico o restaurante, mas identifico a zona. Ribeira. Após um passeio relativamente longo, buscava um recanto onde pudesse relaxar, gozar de alguma boa música e alimentar o corpo tocado pela fadiga. Desce-se à ribeira por ruelas e calçadas e mergulha-se na zona menos portuguesa do velho Porto. A Ribeira é uma zona poliglota, cosmopolita, avançada, mas austera e impõe ainda o severo respeito do Porto Antigo.
Anda-se e ciranda-se, vêem-se menús, comparam-se preços. Uma casa com mesas vazias acaba por ser opção. O "Filha da Mãe Preta" (o link leva-nos até ao Lifecooler). Repare-se, eu pus o nome do restaurante entre aspas já para evitar mal-entendidos. Sentamo-nos e aguardamos. Atrás de mim, uma família inglesa com pouco de Júlio Dinís. Atrás dela, franceses são substituídos por espanhóis. Ao fundo, era capaz de jurar que ouvi qualquer coisa em turco, mas eu não sei falar turco por isso nem vou referir isto. Atendimento rápido: Eu peço uma francesinha especial, ela, "espetated" de perú com arroz e salada.

Há verdadeiras escolas de francesinhas. No que concerne à minha escola eu desfaço a francesinha por camadas, o que me permite ver o que vai lá dentro. Nesta em particular, queijo e pão, obviamente, salsicha fresca, fiambre e um outro enchido de sabor suave, bife (bastante tenro e bem passado), outra fatia de pão e o molho. O molho! Este não era picante, não era salgado, não era aguado... Estava adaptado a estômagos de "camónes e aveques", mas bem condimentado. A acompanhar, uma Sagres Bohemia. Considerei apropriada no acompanhamento da francesinha. Uma cerveja nada agressiva no sabor para não desfazer o paladar do prato, mas forte o suficiente para o acompanhar sem desprimor.
A Espetada de perú com arroz e salada pareceu-me também estar bastante bem confecionada... não a provei, mas desapareceu toda do prato pelo que tenho razões para acreditar que estivesse realmente boa. Salada a acompanhar e não a encher o prato são pequenas coisas que ficam sempre bem e um ponto realmente positivo neste restaurante. De bebida, foi pedido um Ice Tea de Manga para refrescar e acompanhar a espetada.

Menos positiva foi a demora na entrega da conta. Abona ao pessoal da casa o facto de ela estar cheia e de não terem mãos a medir entre as várias mesas, mas vagariam uma mesa mais rapidamente se fossem mais céleres na apresentação da conta. Não mancha no entanto a eficiência com que fomos servidos nem a simpatia demonstrada ao longo da refeição. A repetir, com mais tempo, mas com o mesmo apetite.

Um total de 18 euros para dois, numa noite lindíssima à beira-Douro.

Momento digno...

|
... de filme romântico ou de comédia? [You choose..]



O empregado percebe o filme "todo" e entrega um prato, duas fátias de pudim e duas colheres. Ainda dá a dica: "É para partilharem..."

O "casal" sorri (dá-se assim tão nas vistas?), embora ela esteja mais interessada no gelado de morango que espreita pelo canto do olho.



Conversa puxa conversa, gargalhada segue gole de vinho verde... e quando ela olha para o prato, o rapaz já tinha comido as duas fatias de pudim e tinha falhado o momento "Dama e Vagabundo" da noite...



Moral da história: não te percas em conversas com o "Tuninhas". Ficas sempre a perder...

Limonete

|
Sábado, Peso da Régua, 35º C.
Paisagem idílica, 14h, dentro do fuso horário ideal para almoçar, a ritmo de férias.

Alberga-nos a Pizzaria Limonete, na Rua da Ferreirinha, uma das ruas principais da Régua. Desenganem-se desde já pelo nome: não estamos perante (mais) um restaurante italiano, mas antes por um restaurante bem português, cuja especialidade recai na Pizza.
O restaurante prima pela relação qualidade/preço e pela oferta (vasta) à disposição. A casa cheia e as pizzas sempre a sair (para o restaurante e em take-away) mostram que é um local realmente apreciado nesta zona.

Cinco pessoas à mesa, cada uma com sua escolha.
Eu fiquei-me pelo tradicional Lombo assado com batatas e arroz, o qual estava muito bom, mesmo a meu gosto: fatias fininhas e muito tenras, com um molho espesso e batatas bem assadas. O arroz branco é solto e acompanhou bem quer o meu prato, quer outras duas escolhas que vieram para a mesa: Filetes de pescada e Omelete de cogumelos, ambos também com batatas fritas.
Os filetes eram brancos e tenros, segundo a opinião prestada por quem o provou, e a Omelete de cogumelos também não desapontou.

As duas restantes escolhas recaíram no lado italiano da ementa: Lasanha e Pizza do chefe. A Lasanha alimentou bem e era bastante saborosa. Chegou à mesa a ferver, num prato de barro saído do forno. A Pizza, por sua vez, faz bem o papel de prato principal, não deixando com fome quem quer que opte por este prato: massa fina e tostada nas bordas, como eu gosto, recheada sem exageros, para não exagerar.

Fica um sítio que prima pela óptima relação qualidade/preço: o total da refeição, incluindo os cinco pratos, as bebidas (mais do que cinco, dado o calor desse dia), sobremesa e café sagrou-se no simpático montante de 40€.

Paço das Almas

|
O local, a beira-mar.
A altura, um final de dia, com o sol prestes a pôr-se.
Pretende-se um sítio calmo para um jantar mais intimista e o Paço das Almas é despretencioso o suficiente para proporcionar uma boa refeição.
O restaurante tem mesas no interior e tem uma esplanada, na entrada, ideal para o Verão, numa disponibilidade de total de cerca de 20 lugares para cada um dos espaços. Aconselha-se a reserva, apesar de estar situado atrás do Forte de Leça da Palmeira e não ter tanta visibilidade como a primeira linha de mar.

Calmo e acolhedor, este restaurante traz-nos materiais fortes e simultaneamente familiares, como a pedra e a madeira juntas. Algumas das paredes da sala interior (assim como as casas-de-banho) estão literalmente cobertas de literatura: folhas soltas que nos podem deixar divagar pelas suas palavras - que, tão depressa podem ser as nossas - enquanto nos refugiamos da azáfama da cidade.
A luz das velas traz-nos maior calmia e a música ambiente (Jazz e Bossa Nova, constantes presenças), não deixa o stress do quotidiano entrar, permitindo-nos apreciar uma boa refeição.

A cozinha é tipicamente portuguesa, saboreada num ambiente rústico, até romântico, onde Camões é o anfitrião (chamo a atenção para os versos que estão expostos à entrada).
Aconselham-se várias visitas, de forma a poderem ser provados pratos diferentes; aqui sugerimos os Lombos de Pescada com molho de marisco, o Arroz de marisco e os Miminhos de Boi, apesar de também se recomendarem os vários pratos de peixe fresco (aqui um belo benefício da localização do restaurante).
Para a sobremesa, o fondue de chocolate e a mousse de chocolate caseira são dois apontamentos a ter em conta neste livro de gastronomia.

O preço médio por pessoa, numa refeição completa, rondará os 15 euros. Bastante acessível dado o posicionamento e o próprio acolhimento.

Doce Ritual

|
A Doce Ritual é uma casa de chá que fica na Rua da Torrinha, n.º 86, no Porto.
É um sítio escondido e relativamente pouco frequentado, quanto mais não seja porque a sua localização não será a mais central nem de passagem, na baixa portuense.
Neste espaço há sempre a possibilidade de disfrutarmos de uma refeição leve e caseira enquanto vemos algumas pinturas, gravuras ou fotografias, já que as Artes são sempre lá bem-vindas.

A apreciar os bolos (caseiros, desde bolo de chocolate, ananás, noz, canela, entre outras delícias que vão surgindo), os scones com compotas (igualmente caseiras) e as bolachas artesanais. Ao almoço podemos ainda experimentar as saladas variadas da casa, quer quentes, quer frias.
Tudo enquanto disfrutamos de um saboroso chá, dos mais diversos que têm à disposição.

Os preços são apelativos para um serviço de boa qualidade.
Um ritual doce que cai sempre bem.

Candelabro

|
Bem estabelecido na Baixa Portuense, o Candelabro, um foco de luz que veio para ficar. Inaugurado em finais do ano passado, o espaço aproveitou um antigo alfarrabista na Rua da Conceição, pelo que tem marcas visíveis dessa vivência.
Aproveitando os resquícios da vida comercial alfarrabista, além de funcionar como café e bar, o Candelabro também funciona como livraria. São vários os títulos disponíveis, rodeados por máquinas antigas - fotográficas, de escrever...

A iluminação ténue no interior torna-o o espaço ideal para descansar depois de um dia de trabalho, permitindo relaxar ao som de música calma, desde o rock dos anos 70, por exemplo.
Isto, saboreando uma tosta mista - essas que neste espaço ganham um novo sabor e apresentação, vencendo também no paladar.

Da última vez que lá fui, serviu-nos de conversa - a mim, ao Edgar e ao Zé - numa bela tarde ensolarada. Um sumo fresco, uma nata, uma tosta, um fino. Qualquer que fosse o pedido, cairia bem nessa tarde. Posso dizer que nos sentíamos em casa.

Vale perfeitamente qualquer visita!

How the media can change your point of view

|
Verídico.

Era uma vez um bolo

|


... que desapareceu porque, de tão bom que era, foi comido muito depressa!
Vimos aqui apresentar a Piece of cake, também conhecida por Era uma vez um bolo, constituída pela Andreia Pinto. Abrimos aqui um espaço dedicado ao talento dela na área da pastelaria. Aconselhamos a que experimentem os cupcakes que ela faz - para além de deliciosos, são lindos!

Ela faz por encomenda e vende actualmente em mercados, em iniciativas como o Mercadinho dos Clérigos (na Rua Cândido dos Reis, último Sábado de cada mês) e a Feira Gastronómica do Maus Hábitos, no Porto.
Os contactos estão na foto acima e na página dela (os links acima dão para o Facebook), mas não custa repetir: 933563909 e pieceoffcake@gmail.com.
Deixo-vos com mais algumas fotos, tiradas no Mercadinho dos Clérigos de Sábado passado.



Bonaparte

|
Começo por dizer que o nome engana. Não vão entrar no bar e encontrar um narcisista ainda mais baixinho do que eu. Nem se vão sentir transportados para a França do séc. XVIII.

O Bonaparte é um bar que com o homónimo só partilha o tamanho do espaço; situado na Foz, de ambiência irlandesa qual pub que por lá se encontra em cada esquina.

Admito que só o conheci em Janeiro deste ano apesar de toda a fama que reúne e dos mais de 30 anos de "casa".
Na primeira visita, a horas tardias de um dia de semana fiquei-me pelo stool do bar no andar térreo, rodeada de copos na paredes, cadeiras forradas a napa e madeira, muita madeira.
Nessa primeira noite absorvi o ambiente, olhei em volta. Centenas de cervejas por onde escolher, um pouco de todo o mundo, para quem goste de "ir para fora, cá dentro". Mojitos, caipinhas, para não esquecer o calor do Sul. Snacks e petiscos para todos os gostos, a sair quentinhos. E uma convidativa happy hour.

Nas visitas seguintes, já visitei o espaço em noites de fim-de-semana. Nestes casos aconselha-se chegar cedo ao local (nunca depois das 23.30h) ou então requer-se paciência para conseguir estacionamento nas redondezas.
O menu e as ofertas mantêm-se, a fabulosa playlist (uma mistura de pop e rock dos anos 60 aos 90, para completar o arzinho vintage do local).
Nestas últimas visitas rumei também ao andar superior, reservado para essa classe que são os fumadores - sim, gente! Quem escolhe o Bonaparte não tem que acalmar o vício ao sabor das intempéries.
A decoração mantém-se com mais ênfase nos detalhes e nos quadros, mas perdendo espaço para os sofás de canto e as mesas recatadas. Em noites movimentadas há mesmo a forte hipótese de ter que esperar por uma mesa para disfrutar da bebida e da conversa.

O atendimento é rápido (ambos os andares têm zona de bar) e simpático. A música está colocada num volume aceitável. Possuem tabaco para venda.
Tenho que assumir que ainda não provei os snacks disponíveis (desde tostas-mistas a cachorros quentes com batatas fritas na hora, a pratinhos de salgadinhos para ir petiscando) mas o aspecto é bastante tentador.
Por outro lado já sou fã assumida dos mojitos e do sumo natural.

Os preços são bastante acessíveis: 2€ para os sumos, 4€ para os cocktails - as diferentes cervejas variam de preço consoante o país de origem. E o preço dos petistos ronda o de um qualquer restaurante.
Assim, torna-se um óptimo local para encontrar os amigos depois de jantar - sem emagrecer a carteira.

Nota: O ambiente ao final de poucas visitas torna-se quase familiar e não é de estranhar cruzarmo-nos com amigos que não se vêem há muito.
A gerência já construiu um website para onde transportou todo o ambiente do local (isto é que é Comunicação Integrada!) e todas as informações relevantes, como por exemplo o passatempo para o concerto dos U2 em Coimbra ou a referência à brilhante 20ª posição no ranking de melhores bares do Mundo pela SINGHA.

BD-ependência

|
Olá, Eu sou o Dahn e leio BD. (ouve-se um coro de vozes em uníssono num sonante "Olá, Dahn.").
Podia ser este o início de uma reunião de Viciados em BD Anónimos mas é na verdade aquilo que o assíduo cliente do Mundo Fantasma (actualmente o site está em reconstrução, mas podem acompanhar o blog.) pode dizer sempre que sai daquela loja.
Mudada há pouco tempo de um canto oculto do Centro Comercial Brasília na Praça Mouzinho de Albuquerque (vulgo, Rotunda da Boavista) para instalações mais amplas no mesmo decano edifício, encontramos, mal subimos as escadas da porta da Avenida da Boavista e virando à esquerda, um dos últimos baluartes, um autêntico bastião de tenacidade e persistência do Mundo da BD.
Não se sabe se por inspiração arrancada aos heróis que enchem as prateleiras, se por movidos pelo simples amor à arte em quadradinhos, o Mundo Fantasma continua a ser, no Porto, um dos poucos locais onde um verdadeiro apreciador de uma das novas artes pode apreciar e adquirir itens raríssimos (ou pelo menos, menos comuns) sem ter de recorrer a páginas de internet, a pay-pals, amazons, e-bays e afins.

O procedimento é simples e aconselhável a toda a gente. Entra-se. Procura-se o que se quer. Aos verdadeiros apreciadores, mais responsáveis, aconselho do degustativo folheio de uma ou outra publicação, antes da compra. Se por ventura não se descobrir o que se quer, do mais simples Manga (à japonesa) ao comic americano, peça-se ajuda aos solícitos, muito simpáticos e eles próprios verdadeiras enciclopédias de Banda Desenhada empregados: Marco Novais e Vasco Carmo. Como se dotados de um sexto sentido, guiarão os clientes com conselhos e contextualizações várias até à publicação desejada.

E há de tudo. Das colectâneas de strips aos verdadeiros romances e novelas de ficção científica. Dos autores actuais e em início de carreira, àquele autor já falecido de quem só quem gosta muito de Banda Desenhada já ouviu falar. O melhor é que, quer o Vasco quer o Marco, conhecem-los a todos, o nicho de cada um, como se arrumassem toda a loja continuamente eles próprios (que por acaso é o que fazem a cada nova remessa de publicações).
Mas nem só de Banda Desenhada vive o Mundo Fantasma. Qualquer apreciador de fanzines, jogos de estratégia e tabuleiro, figuras de acção, etc. encontrará por certo neste estabelecimento mais e melhor do que esperaria a princípio encontrar numa vulgar loja de BD. A razão? O Mundo Fantasma não é uma vulgar loja de BD.

Para aqueles que consideram que todas as formas de arte pertencem a uma exposição e não a uma loja... Bom, o reality-check dá-se com a pequena galeria anexa à loja onde se pode verdadeiramente admirar páginas de banda desenhada em quadro como numa tela, regra geral de autores portugueses em busca de um lugar ao sol. A última exposição, ainda aberta até dia 25 deste mês e entitulada "Má Raça", contém peças de autoria de Alex Gozblau, merecendo certamente uma visita, mais que não seja por ser gratuíta.

Por isso, quer se esteja à procura das últimas publicações da Marvel, da DC ou da Dark Horse, quer se procure algo que nem numa pesquisa do Google encontrem, levante-se o rabo do sofá ou da cadeira da secretária para uma visita a este admirável Mundo Fantasma. Quem for demasiado preguiçoso para o fazer já, espreite ao menos o blog para mais alguns detalhes sobre o projecto que levou à loja ou para ter uma preview do que poderá encontrar no estabelecimento físico em http://blog.mundofantasma.com/. Aconselhado vivamente por um consumidor assíduo.

Nota: Podem acompanhar no Twitter/Mundo Fantasma.

Paris

|
Ainda está à venda!

Lie to me...

|
A lie (also called prevarication, falsehood) is a type of deception in the form of an untruthful statement, especially with the intention to deceive others, often with the further intention to maintain a secret or reputation, protect someone's feelings or to avoid a punishment or repercussion for one's actions. To lie is to state something that one knows to be false or that one does not honestly believe to be true with the intention that a person will take it for the truth. A liar is a person who is lying, who has previously lied, or who tends by nature to lie repeatedly - even when not necessary.

Hellenikon

|
Sexta-feira, jantar mediterrânico. Destino: Grécia.
Mais precisamente o restaurante Hellenikon, "Helénico", sito num canto recatado entre a Rua de S. Dinis e a Travessa da Bica Velha, no Porto.

Há já algum tempo que tinha vontade de ir ao restaurante grego, sendo que, em termos de gastronomia, me soa bastante apetecível e calorosa. A cozinha mediterrânica traz-nos tudo de bom, quer em termos de saúde, quer em termos de sabor. E a Grécia, apesar de estar a 3000 quilómetros de nós, tem algo que nos soa a familiar, pelas rotas e sabores.
(Temos este gosto pela Grécia.)

No restaurante, as recepções calorosas, um "Boa noite!" de braços abertos, na simplicidade da companhia que cada pessoa traz, lembra um ambiente relativamente familiar, mas sem exageros desnecessários (quando demos por nós, estávamos num ambiente multicultural, com portugueses, gregos, ingleses,...).
O ambiente por si é fruto dessa simplicidade, sem que lhe falte o necessário para uma refeição descansada e completa, fiel ao envolvimento que a temática e o nome propõem. A música ambiente cria a imagem de uma bela praia mediterrânica, de águas límpidas e aquecidas, na qual disfrutámos de um manjar digno de Atena Niké. Conseguimos ouvir o mar e sentir a areia fina sob os nossos pés num passeio à beira-mar.

Mas passemos à refeição em si.

Logo de início, agraciados com pão, o qual não poderia faltar: branco, integral, de passas,... A acompanhar, mezes: pasta de azeitonas, queijo feta e tomate, tudo temperado com um fio de azeite. Aos mais audazes, Ouzo, um mimo espirituoso à base de anis, bebido bem fresco.
Como prato principal, as escolhas recaíram em Moussaka, prato típico e comum, à base de carne picada, beringelas e molho bechamel. Por cima: queijo feta.
Alguém com um fígado sensível poderia recusar este prato à partida. Porém, e após dar-lhe uma oportunidade, fiquei rendida (e nada enjoada!). Valeria mesmo pelo aspecto do prato, que era de cores intensas e de um aroma inigualável.
Aos que ainda não ficaram convencidos, há muitos outros pratos por onde escolher: saladas (aconselho a Salada Pandora, bastante completa e apetitosa), Bourekis (uma espécie de empadas), sopas, pratos vegetarianos,...

A dose chegou para o jantar e já não houve espaço para a sobremesa. Mas a lista era apetecível: Iogurtes gregos variados, frutas diversas, Baklava (e outros doces à base de massa filó, a qual também é utilizada para salgados), Tentação de chocolate (Massa kataifi recheada com chocolate), etc.

No Hellenikon é possível fazer uma boa refeição por menos de 20€ (sem sobremesas, geralmente) ou até aos 25€ (com sobremesas e a escolher um prato mais caro). Mas vale a pena.

Nota: Encerra aos domingos e segundas. Às sextas e sábados é aconselhável fazer reserva.

A sombra do vento

|
A label é "Viagens e sugestões", mas presumo que não tenha de ser as duas ao mesmo tempo, por isso esta é mesmo mais sugestão do que viagem.

O título do post é também o do livro que ando actualmente a ler. Escrito por Carlos Ruiz Zafón, foi-me oferecido neste natal que passou e estou a gostar bastante. É uma viagem agradável pela cidade de Barcelona com ingredientes suficientes para agradar a todos. Deixo aqui o resumo encontrado no próprio livro que abre o apetite para quem não tenha nenhuma leitura já planeada.


 



Numa manhã de 1945, um rapaz é conduzido pelo pai a um lugar misterioso oculto no coração da cidade velha: o Cemitério dos Livros Esquecidos. Aí, Daniel Sempere encontra um livro maldito, que muda o rumo da sua vida e o arrasta para um labirinto de intrigas e segredos enterrados na alma obscura da cidade.
Juntando as técnicas do relato de intriga e suspense, o romance histórico e a comédia de costumes, A Sombra do Vento é sobretudo uma trágica história de amor, cujo eco se projecta através do tempo. Com uma grande força narrativa, o autor entrelaça tramas e enigmas ao modo de bonecas russas num inesquecível relato sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros, numa intriga que se mantém até à última página.

Como despachar chamadas de telemarketing

|
*Cliente* - Estou!

*Vodafone* - Está? Estou a falar com o senhor Nuno?
**
*Cliente* - Sim...

*Vodafone * - Sr. Nuno, como vai? Aqui é da Vodafone e estamos a ligar para
lhe apresentar a promoção Vodafone 1.382 minutos, que oferece...

*Cliente* - Desculpe (interrompe), mas com quem estou a falar?

*Vodafone* - O sr está a falar com Natália Bagulho da Vodafone. Eu estou a
ligar-lhe para...

*Cliente* - Natália, desculpe-me, mas para minha segurança gostaria de
conferir alguns dados antes de continuar com a nossa conversa, pode ser?

*Vodafone* - ...Sssssim, pode...

*Cliente* - A Natália trabalha em que área da Vodafone?

*Vodafone* - Telemarketing Pró-Activo.

*Cliente* - E tem número de funcionária da Vodafone?

*Vodafone* - Desculpe, mas não creio que essa informação seja necessária.

*Cliente* - Então terei que desligar, pois não estou seguro de estar
realmente a falar com uma funcionária da Vodafone.

*Vodafone* - Mas eu posso garantir...

*Cliente* - Além disso, sempre que tento falar com a Vodafone sou obrigado a
fornecer os meus dados a vários interlocutores.

*Vodafone* - Tudo bem, a minha matrícula é Vodafone-6696969-TPA.

*Cliente* - Só um momento enquanto verifico.

*Cliente* - ...??? (Dois minutos mais tarde) - Só mais um momento, por
favor.

*Vodafone* - ...??? (Cinco minutos mais) - Estou sim?

*Cliente* - Só mais um momento, por favor, estamos muito lentos hoje cá por
casa.

*Vodafone *- Mas, senhor... (Um minuto depois)

*Cliente* - Pronto, Natália, obrigado por ter aguardado. Qual é mesmo o
assunto?

*Vodafone* - Aqui é da Vodafone, estamos a ligar para oferecer a promoção
Vodafone 1382 minutos, pela qual o Sr. fala 1.300 minutos e ganha 82 minutos
de bónus, além de poder enviar 372 SMS totalmente grátis. O senhor estaria
interessado, Sr. Nuno?

*Cliente* - Natália, vou ter que transferir a sua ligação para a minha
mulher porque é ela quem decide sobre alteração de planos de telemóveis.
Por favor, não desligue, pois a sua chamada é muito importante para mim...

(Pousa o telemóvel em frente ao leitor de CD´s, coloca a música "Quero
cheirar teu bacalhau" a tocar em repeat mode e vai beber um cafézinho...)

Mais.

|
Mais de Paris.

Mostra mostra...

|
Realiza-se de 25 a 28 de Março no Pavilhão Rosa Mota, o evento "Mostra de Ciência, Ensino e Inovação da Universidade do Porto". É uma boa maneira de saber o que andam os jovens universitários a fazer além de queimar fitas.

Só deve ter o inconveniente de estar cheio de excursões de teenagers inconscientes do ensino secundário e afins, o que vai tornar impossível fazer uma visita decente. De qualquer maneira, fica aqui a referência para quem quiser arriscar.

Mais informações aqui e aqui.

And the winner is...

|
Best Picture     
The Hurt Locker
Kathryn Bigelow, Mark Boal, Nicolas Chartier and Greg Shapiro

Actor in a Leading Role 
Jeff Bridges
Crazy Heart

Actor in a Supporting Role   
Christoph Waltz
Inglourious Basterds

Actress in a Leading Role   
Sandra Bullock
The Blind Side

Actress in a Supporting Role  
Mo'Nique
Precious: Based on the Novel 'Push' by Sapphire

Animated Feature Film  
Up
Pete Docter

Art Direction   
Avatar
Rick Carter and Robert Stromberg (Art Direction); Kim Sinclair (Set Decoration)

Cinematography  
Avatar
Mauro Fiore

Costume Design     
The Young Victoria
Sandy Powell

Directing  
The Hurt Locker
Kathryn Bigelow

Documentary Feature
The Cove
Louie Psihoyos and Fisher Stevens

Documentary Short   
Music by Prudence
Roger Ross Williams and Elinor Burkett

Film Editing     
The Hurt Locker
Bob Murawski and Chris Innis

Foreign Language Film  
The Secret in Their Eyes (El Secreto de Sus Ojos)
Argentina
Directed by Juan José Campanella

Makeup       
Star Trek
Barney Burman, Mindy Hall and Joel Harlow

Music (Original Score)  
Up
Michael Giacchino

Music (Original Song)  
Crazy Heart
"The Weary Kind (Theme from Crazy Heart)"
Music and Lyric by Ryan Bingham and T Bone Burnett    

Short Film (Animated)   
Logorama
Nicolas Schmerkin

Short Film (Live Action)  
The New Tenants
Joachim Back and Tivi Magnusson

Sound Editing   
The Hurt Locker
Paul N.J. Ottosson

Sound Mixing
The Hurt Locker
Paul N.J. Ottosson and Ray Beckett

Visual Effects    
Avatar
Joe Letteri, Stephen Rosenbaum, Richard Baneham and Andrew R. Jones

Writing (Adapted Screenplay)    
Precious: Based on the Novel 'Push' by Sapphire
Screenplay by Geoffrey Fletcher

Writing (Original Screenplay)    
The Hurt Locker
Written by Mark Boal

Beauty

|

Já que o tema dos comentários do post anterior acabou por ir para números e matemática, eis um exemplo de quanto bonita ela pode ser. Ok, nãoé bem beleza estética (quer dizer, não podiam ter escolhido uma cor mais bonitinha para o triângulo?), mas é bela na sua simplicidade.

(Editado para dizer que não é obviamente o post anterior que tem referência a números, mas sim o anterior a esse)

Awards

|
Award Show Presentator: We now come to our final award: Entertainer of the Year. An award so prestigious that it recently won the 'Award of the Year' Award at the 2007 Awardie Awards.

Green Tea

|
O Green Tea é um espaço simples na Boavista, que foge à ideia de que a Boavista é uma zona cara da cidade do Porto. Situado junto à estação de Metro da Casa da Música, na Avenida de França, este pequeno espaço reúne qualidades de um café com as de um restaurante, uma vez que, a pedido e por marcação, também serve jantares.

É num sítio recado que podemos usufruir dos vários menus que nos dispõem, a preços bastante simpáticos. Durante o dia, é mais comum aproveitar-se um bom sumo de laranja natural, com scones a acompanhar. Já à noite, marcando um jantar, podemos escolher diversas pastas, saladas, assim como pratos de carne e peixe, conforme o gosto, sendo que o preço médio por pessoa poderá nem atingir os 10€.

Uma pequena sugestão.

Deja Vu

|

Meaning

|



Não faço ideia o que as palavras querem dizer, podem até nem querer dizer nada, só sei que me parece algo bonito. O significado real até nem é o mais importante, mais o significado que cada um lhe atribui. Neste sentido, músicas como esta até acabam por funcionar melhor. Músicas em que a voz se torna simplesmente mais um dos instrumentos sem lhe adicionar qualquer significado. Bem, eu só ia colocar o video mesmo, mas a meio do post veio-me isto à cabeça. Fica aqui a nota...

Teach the controversy

|


Os que seguem os meus itens partilhados no Google Reader poderão já ter visto este vídeo pois partilhei lá o post do blog original onde o descobri, mas achei-o tão bom que não pude limitar-me a isso. Assim, aqui está ele...

Darwinismos

|

Charles Darwin, o autor da bem conhecida teoria da origem das espécies, nasceu a 12 de Fevereiro de 1809. Assim, se fosse vivo fazia uns maduros 201 anos hoje. Parabéns ao homem que tanto contribui para a ciência. Considero-o um homem extremamente corajoso pois a teoria que ele desenvolveu, na altura em que ele o fez, era muito perigosa. Revolucionou o modo como se olhava para a natureza e principalmente onde se encaixava o bicho Homem no meio de tudo isto. Era um verdadeiro senhor!

Magnus Coffee

|
A "Viagens e sugestões" de hoje leva-nos até ao Magnus Coffee, em plena Rua da Boavista, no Porto. Sou suspeita, é um dos meus sítios preferidos para um encontro com amigos ou para apreciar um bom cappuccino.

Um lugar normalmente calmo, onde passei horas a estudar, ler, conversar com amigos, sem o inconveniente de música alta que nos perturbasse o pensamento e com o devido espaço para a circulação. Como mais-valia para quem queira estudar ou trabalhar, está disponível uma ligação wi-fi.
A provar o leve cappuccino, com espuma e chocolate por cima, que já me foi servido até com o meu nome escrito e com os mais diversos desenhos. Em opção, os variados frappés. Também os chás e infusões serão uma boa alternativa. Para acompanhar, temos pastelaria - muffins, cheesecake, fatias de bolos diversos, folhado de maçã,... - e sandes (na minha escolha recaem as mistas em pão chapata).

Ainda há que ter em conta que o Magnus Coffee serve almoços e jantares, apresentando diversos menus para todas as refeições. Algumas das opções estão disponíveis no site do espaço.

Have no fear...Jack is here!

|


Eu sei que esta série já devia ter terminado há muito tempo, mas o facto é que volta no próximo dia 10 à televisão portuguesa. Devia ter terminado porque roda sempre à volta dos mesmo temas e já se sabe que tudo o que é demais...
Mesmo assim, o formato que ela tem faz-me sempre voltar a ver e sempre voltar a gostar. Apesar da repetição, é sempre feita de um modo cativante e que te cola ao ecrâ querendo sempre saber o que se vai passar a seguir pois apesar de a maioria das vezes se adivinhar o que vem, às vezes somos premiados com uma surpresa daquelas que te pôe um sorriso nos lábios...e um bocadinho de fé em que desta vez vai ser diferente e melhor ainda!

O vício de quarta-feira à noite começa às 22h00 da próxima semana...

The Unseen Guest

|

Uma descoberta que fiz há pouco tempo. Ora estava eu no carro da minha mãe quando reparei num cd perdido que eu nunca tinha visto lá. Aproveitei para ouvir o que era e saiu-me isto. Era uma compilação de vários artistas que depois vim a descobrir ter sido uma prenda de natal do meu pai. De qualquer maneira gostei daquela primeira música e procurei mais trabalhos destes senhores Irlandeses/Indianos e fiquei a gostar. A música acima é apenas uma amostra e a tal primeira música do álbum que falei. Enjoy! Ou não... Como preferirem.

Porque...

|
... hoje à tarde estou com uma dor de cabeça descomunal... resolvi fazer de conta que trabalho.

E o que tem isso a ver com o Wee?
Fácil... deliciei-me a ler os posts existentes desde 2007... =)

Ri-me. Relembrei-me. Ri-me mais. E ainda outra vez.

Não há videozinhos (OOOOOH!), nem pérolas, nem musiquinhas (embora esteja a ouvir o David).
Escrevo e "voltei" só porque...
... me apetece.

[Tinha saudades, pronto.]

Soul

|
Lisa: I can't belive my mom would cheat.
Homer: Hey sweetie! Is mom winning?
Lisa: Oh she'll win the contest... But she'll lose her soul...
Homer: But she'll still win the contest...
Lisa: ...and lose her soul.
Homer: But win the contest.
Lisa: Yes.
Homer: Whoo-hoo!

Handsome neighbours

|
A sonda espacial Cassini foi lançada a 15 de Outubro de 1997, viajou durante 7 anos até que a 1 de Julho de 2004 entrou em órbita à volta de Saturno onde ainda se encontra actualmente a estudar o planeta e as suas luas. Pelo caminho pediu ajuda a Júpiter que, como uma fisga, a projectou em direcção ao seu verdadeiro alvo. Não abandonou o seu ajudante sem antes tirar alguns retratos ao mesmo. Este é um desses retratos:



Eu não me canso de colocar aqui no blog coisas destas. Repetindo e traduzindo o título, temos uns vizinhos bem jeitosos!

Meteoros

|
Já que o tema é meteoros, esta última quarta-feira, passou um pelo nosso planeta azul. A bem dizer, não era um meteoro, era um asteroide. Para quem não sabe, a diferença entre um meteoro e um asteroide é que o primeiro atinge a atmosfera terrestre e o segundo nem por isso. Se chegasse à superfície, tinha ainda outro nome, meteorito. Confusos?
Bem, seja qual for o seu nome, o que realmente interessa é que passou muito perto de nós. Perto, mas completamente inofensivo. O que é "perto" para um pedaço de rocha com 10m de diâmetro? É muito, cerca de 130000Km (um terço da distância à lua), por isso, para nós meros seres humanos, foi uma quarta feira como qualquer outra. Para comparação, a Terra tem 40000km de perímetro no equador, logo, era preciso dar mais de 3 voltas à terra para chegar ao local por onde ele passou.

Em 2029 irá passar outro, 45 vezes maior e que estará ainda mais perto! Mais perto quer dizer abaixo dos 35000Km (existem satélites com órbitas mais altas que isso)! O que de mais interessante este evento tem, principalmente para as pessoas superticiosas, é que prevê-se que aconteça numa sexta-feira, preparem-se, dia 13 de Abril! A juntar a isso, existe uma pequena probabilidade de que apesar de falhar a terra passe por uma zona que o colocaria em rota de colisão numa data futura (2036)! Se são catastrofistas começem a fazer planos para os vossos últimos anos de vida.

Eis o nosso menino:




Exagerei obviamente no retrato do que se passará ano de 2029. Dados recentes indicam que não vai chocar contra nós e provavelmente nem passar na tal zona que o punha apontado a nós da próxima vez. Não que não se deva estar atento, mas nada de entrar em pânico!

Tenham um bom fim de semana!! :D

A proposta, ou as formigas de Pogo

|
Então a modos que a coisa funcionou da seguinte maneira, jurando desde já dizer apenas a verdade, só a verdade e nada mais que a verdade interpretada por mim.
Estava eu sossegado a contar as células que vão desde a borda da parte cor-de-rosa ao limite da parte branca da minha unha do dedo mindinho, na altura o esquerdo, por sinal, e a Alda olha para mim e diz-me: "O que tens tu a dizer da Metafísica Conventual como apresentada por Gorbatchev na sua última publicação «Fillet-mignon de bacalhau, heresia ou dois grãos de areia?»?". Eu olhei para ela e disse-lhe: "Olha, eu não sei, mas eram grandes e se eu não me punha a toques ainda era capaz de acontecer assim uma desgraça ou... ou... enfim.... afins... É que aquilo de cor-de-rosa não tinha nada...". O queixo cai-se-lhe, ela agarra-se-me nas gânfias, foca-se-me a parte branca do olho e num suspiro sentido diz-me: "Tu tens orelhas, mas apesar disso aparentas gostar de esparguete... Queres vir escrever para o wee?".
Eu juro-vos, meus amigos, na altura fiquei assim a modos que como os cães ficam quando na Primavera os pêssegos não amadurecem todos ao mesmo tempo, mas como já tinha perdido a contagem das supracitadas células, os vôos para o Bangladesh estavam cancelados e o Nelson Mandela deixou de me mandar mensagens a assediar-me às quatro da manhã, pensei: "Onde é que deixei as chaves do carro?" e com isto jurei que a meu primeiro post no Weedeias seria de pura cólera contra a gaja da caixa no anúncio do Cêgripe. Meu dito, meu feito. Sentei-me ao computador e comecei a desancar filosoficamente nas populações nativas do Palau.
Isto é a verdade, só a verdade e nada mais que a verdade interpretada por mim. E se estiver a mentir, que me caia um meteoro na cabeça...... Olha, que linda estrela aquela que vem na minha direcção.

Skip, Rewind, Do-over

|


Lembro-me que foi exactamente isto que pensei quando entrei em contacto com o conceito de viagens no tempo e máquinas que tal permitissem. Evitar fazer/dizer algo, ou alterar o que foi feito/dito... Acho que ainda penso nisso agora.